Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Esta startup quer concorrer com Decolar e ClickBus pelas suas férias

A empresa, que nasceu vendendo passagens de ônibus, irá investir em viagens aéreas e prevê que o faturamento cresça de 15% a 20% com a nova modalidade

Modo escuro

Continua após a publicidade
Viagem: a ascensão, para uma pequena ou média empresa que atua internacionalmente, é abrir uma filial no exterior (Foto/Thinkstock)

Viagem: a ascensão, para uma pequena ou média empresa que atua internacionalmente, é abrir uma filial no exterior (Foto/Thinkstock)

K
Karin Salomão

Publicado em 13 de novembro de 2018 às, 06h00.

Última atualização em 13 de novembro de 2018 às, 06h26.

São Paulo - Assim como muitos empreendedores, Lukasz Gieranczyk teve a ideia para o seu negócio quando teve um problema. Ao viajar de ônibus nas férias para o litoral de São Paulo, descobriu que não havia muitas opções para comprar a passagem pela internet. Criou, então, a Quero Passagem, empresa de venda de passagens rodoviárias online.

Enquanto comprar uma passagem de avião pela internet é mais comum, as viagens de ônibus ainda são compradas presencialmente, na rodoviária. Atualmente, cerca de 9% das compras são online, mas quando a startup nasceu essa fatia era de apenas 1%. "A concorrência nos setor aéreo já era grande, com empresas como Decolar e ViajaNet. Encontrei o nicho no mercado rodoviário", afirma o empreendedor, que é polonês e passou a maior parte da vida no Brasil.

No entanto, cinco anos após o nascimento da empresa, Gieranczyk decidiu concorrer também no setor aéreo. A startup firmou uma parceria com cinco companhias aéreas nacionais, Gol, Azul, Latam, Avianca e Passaredo, para vender também voos domésticos pela sua plataforma.

A previsão é que o faturamento cresça de 15% a 20% com a nova modalidade ainda esse ano. "Com o aquecimento do mercado e maiores investimentos em marketing, nossos ganhos podem dobrar com o setor aéreo", diz.

A aposta em um setor mais difícil vem da percepção de que a startups estava perdendo vendas. Muitos clientes entravam no site em busca de tíquetes aéreos, mas saíam logo em seguida para outros sites. A ideia é oferecer também passagens internacionais a partir do ano que vem.

Sem investidores externos, a startup está crescendo. Faturou 20 milhões de reais no primeiro semestre do ano e deve fechar o ano com 50 milhões de reais em faturamento. Para o ano que vem, a previsão é de dobrar as receitas.

No setor rodoviário, a Quero Passagem já é a segunda maior empresa de passagens de ônibus no Brasil, com 2 milhões de usuários únicos. Mantém parceria com mais de 150 companhias de ônibus do país e sua cobertura inclui 5 mil destinos, o equivalente a 90% dos trechos operados por viações rodoviárias no país.

Está atrás da ClickBus, que faturou 300 milhões de reais em 2017. A aposta no setor aéreo é ousada: as receitas globais da Despegar, marca global da Decolar, somaram 524 milhões de dólares em 2017.

Gieranczyk reconhece que enfrentar as concorrentes é um trabalho árduo, ainda mais sem grandes injeções de capital e dinheiro para gastar com marketing. Mas a companhia está acostumada a desafios.

Desafios

Logo no início da startup, o empreendedor percebeu que precisaria de um sócio forte, que entrasse com investimento e conhecimento técnico. Chamou seu amigo, Jaroslaw Piasecki, também polonês, para entrar no negócio. O sócio, que até o momento atuava ncom bancos de investimentos, atualmente gerencia a área financeira da startup.

Mas o maior desafio veio de uma fonte inesperada: as fraudes online. "Quase falimos nos primeiros dois anos por conta da intensidade de fraudes", afirma Gieranczyk. A startup sofreu até encontrar empresas de prevenção de fraudes que a ajudassem a se proteger.

Hoje, o maior desafio é a distância. Polonês, ele gerencia a empresa morando em Amsterdã, na Holanda, e seu sócio mora em Londres, na Inglaterra. Teleconferências com a equipe e ferramentas de gestão online são essenciais no dia a dia da startup.

Os sócios se revezam em viagens ao Brasil a cada três meses, para falar com parceiros de negócios. "Para abrir um negócio no país, é necessário saber falar português, conhecer as pessoas, conversar pessoalmente com todos", comenta, sobre as particularidades do país. Mesmo assim, há uma vantagem: Gieranczyk raramente perde muito tempo em reuniões longas e presenciais e as decisões avançam mais rapidamente.

Últimas Notícias

Ver mais
Empreendedor Individual deve enviar declaração até dia 30 de junho; veja como fazer

seloPME

Empreendedor Individual deve enviar declaração até dia 30 de junho; veja como fazer

Há um ano

Além das salas de aula: 4 maneiras de aprender mais sobre empreendedorismo

seloPME

Além das salas de aula: 4 maneiras de aprender mais sobre empreendedorismo

Há um ano

Bolsonaro sanciona Pronampe; estimativa de crédito para MPEs é de R$ 50 bi

seloPME

Bolsonaro sanciona Pronampe; estimativa de crédito para MPEs é de R$ 50 bi

Há um ano

3 cases de inovação aberta - o que podemos aprender com eles?

seloPME

3 cases de inovação aberta - o que podemos aprender com eles?

Há um ano

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Lead Energy quer reduzir R$ 1 bi na conta de luz dos brasileiros até 2027

Lead Energy quer reduzir R$ 1 bi na conta de luz dos brasileiros até 2027

Ceará deve se tornar um dos maiores produtores do combustível do futuro

Ceará deve se tornar um dos maiores produtores do combustível do futuro

“O número de ciberataques tem crescido 20% ao ano”, diz a Huawei

“O número de ciberataques tem crescido 20% ao ano”, diz a Huawei

“A geração de energia caminha lado a lado com o desenvolvimento econômico”, diz Paulo Câmara

“A geração de energia caminha lado a lado com o desenvolvimento econômico”, diz Paulo Câmara

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais