Depois do Lyft: 15 unicórnios que vão (ou deveriam) fazer o IPO neste ano

O ano está quente para as startups avaliadas em mais de um bilhão de dólares. Confira quais delas pretendem ou passaram da hora de ir às bolsas de valores

A empresa de mobilidade urbana Lyft abriu com estilo a temporada de ofertas públicas iniciais de ações nos Estados Unidos — e deve inspirar mais startups gigantes a seguirem sua estratégia.

Na última sexta-feira, cada ação do aplicativo de economia compartilhada foi negociada a 87,24 dólares, 21% acima do valor que a Lyft havia proposto na noite anterior — e que já significava um aumento, desencadeado pela expectativa de seus investidores. Com isso, a Lyft foi avaliada em 24 bilhões de dólares, 11 vezes sua receita anual e um salto sobre seu valuation anterior, de 15,1 bilhões de dólares.

Com os bons resultados, a Lyft estimula outros unicórnios — startups que passaram de um bilhão de dólares em avaliação de mercado — a fazerem suas próprias negociações, mais conhecidas pela sigla IPO.

O site Business Insider elencou outros unicórnios que estão planejando seu IPO para este ano — ou que, diante de números inchados, já deveriam estar cogitando a negociação de suas ações. A influência mais direta está na concorrente Uber, que mira uma avaliação de 120 bilhões de dólares. A maioria das startups é americana, mas a lista contempla três gigantes chinesas e uma companhia de Singapura. As informações financeiras e de investimento foram retiradas da base de dados Crunchbase.

Veja, a seguir, 15 unicórnios que vão (ou deveriam) fazer o IPO neste ano:

1 — Bytedance (Toutiao)

Zhang Yiming, da Bytedance

 (Foto/Bloomberg)

Valuation: 75 bilhões de dólares
País de origem: China
Setor: mídia digital/inteligência artificial
Investidores selecionados: Sequoia Capital China, SIG Asia Investments, Sina Weibo, Softbank

Criadora do aplicativo de compartilhamento de vídeos curtos TikTok, a Bytedance compete contra as gigantes chinesas Alibaba, Baidu e Tencent. O Tiktok adquiriu a plataforma Music.ly no final de 2017, com isso, acumula 500 milhões de usuários ativos. Ao todo, a Bytedance, fundada em 2012, tem mais de 1 bilhão de usuários mensais ativos em oito aplicativos móveis.

A expectativa para seu IPO não está tão alta, porém. Investidores projetaram ao britânico Financial Times que o negócio chinês seja avaliado na casa dos 60 bilhões de dólares, abaixo do valuation atual.

2 — Uber

uber

 (Tyrone Siu/Reuters)

Valuation: 72 bilhões de dólares
País de origem: Estados Unidos
Indústria: mobilidade urbana
Investidores selecionados: Lowercase Capital, Benchmark Capital, Google Ventures

A Uber, criada em 2009, revolucionou o transporte pessoal por meio da conexão entre motoristas autônomos e passageiros. A companhia planeja seu IPO para este mês e espera atingir uma avaliação de 120 bilhões de dólares. Em 2018, a Uber reportou 50 bilhões de dólares em corridas, mas perdas de 1,8 bilhão de reais.

3 — Didi Chuxing

Didi Chuxing se fundiu ao Uber na china

 (Qilai Shen/Bloomberg)

Valuation: 56 bilhões de dólares
País de origem: China
Indústria: mobilidade urbana
Investidores selecionados: Matrix Partners, Tiger Global Management, Softbank

A Didi Chuxing ganhou mais peso em 2016, após uma união com a operação da Uber na China. O negócio afirma atender 300 milhões de usuários em 400 cidades chinesas. A Didi Chuxing adquiriu o aplicativo brasileiro de mobilidade urbana 99 no começo de 2018, por 960 milhões de dólares. Em abril do ano passado, a empresa foi avaliada em 57,2 bilhões de dólares. Mas espera conseguiu 80 bilhões de dólares em seu IPO, marcado para “o começo de 2019.”

4 — The We Company (WeWork)

Parte do WeWork Paulista

 (Midori De Lucca/WeWork/Divulgação)

Valuation: 47 bilhões de dólares
País de origem: Estados Unidos
Indústria: instalações/coworkings
Investidores selecionados: T. Rowe Price, Benchmark Capital, SoftBank

Antigamente chamada apenas de WeWork, a The We Company opera espaços de coworking em mais de 25 países e oferece serviços imobiliários a clientes corporativos. Além de ambientes de trabalho, investe em academias, residências, escolas e diversos outros empreendimentos no ramo de imóveis e socialização.

Em 2018, a WeWork dobrou suas receitas em relação ao ano anterior, chegando a 1,8 bilhão de dólares. Mas, no mesmo período, registrou perdas de 1,9 bilhão de dólares.

5 — Juul Labs

 

Mulher usando um cigarro eletrônico para fumar

 (grinvalds/Thinkstock)

Valuation: 38 bilhões de dólares
País de oriem: Estados Unidos
Indústria: cigarros eletrônicos
Investidores selecionados: Tiger Global Management, Altria

Criadora do cigarro eletrônico Juul, a Juul Labs controla mais de 70% do mercado nos Estados Unidos. Em dezembro, o fundo Altria anunciou um investimento de 12,8 bilhões de dólares na Juul Labs, em uma avaliação de 38 bilhões de dólares.

Nem tudo são flores, porém: a empresa enfrenta críticas por atrair adolescentes com sua estratégia de produto, oferecendo sabores como manga e menta em seus cigarros eletrônicos.

6 — Airbnb

airbnb-dicas

 (Airbnb/Divulgação)

Valuation: 23 bilhões de dólares
País de origem: Estados Unidos
Indústria: e-commerce/marketplace
Investidores selecionados: General Catalyst Partners, Andreessen Horowitz, ENIAC Ventures

O Airbnb é um marketplace para aluguéis de curta temporada e serviços de turismo. Apesar de não ser dono de nenhuma propriedade, possui 6 milhões de imóveis disponíveis para aluguel. A empresa espera realizar seu IPO neste ano, após reportar seu primeiro lucro anual em 2017.

7 — SpaceX

 (Space X Dragon V2/Wikimedia Commons)

Valuation: 21 bilhões de dólares
País de origem: Estados Unidos
Indústria: satélites/transporte espacial
Investidores selecionados: Founders Fund, Draper Fisher Jurvetson, Rothenberg Ventures

Fundada por Elon Musk em 2002, a missão da SpaceX é reduzir os custos do transporte espacial — e, no futuro, permitir a colonização do planeta Marte. A SpaceX já fez mais de 100 lançamentos de foguetes, representando 12 bilhões de dólares em contratos.

8 — Stripe

Stripe

 (Stripe/Facebook/Reprodução)

Valuation: 20 bilhões de dólares
País de origem: Estados Unidos
Indústria: fintech/pagamentos
Investidores selecionados: Khosla Ventures, Lowercase Capital, capitalG

A companhia de pagamentos online Stripe foi fundada em 2012, pelos irlandeses e irmãos John e Patrick Collison. Assim como o PayPal, a ideia do negócio é fornecer alternativas de pagamento online aos consumidores. Diferentemente do concorrente, porém, o Stripe aceita pagamentos provenientes do serviço chinês Alipay, da gigante Alibaba. O negócio já levantou 785 milhões de dólares em investimentos.

9 — Epic Games

Jogo Fortnite, da Tencent

 (Fortnite Brasil/Facebook/Reprodução)

Valuation: 15 bilhões de dólares
País de origem: China
Indústria: jogos
Investidores selecionados: Tencent Holdings, KKR, Smash Ventures

A Epic Games é uma empresa de games-como-serviço, responsável por jogos como Fortnite. O game é a plataforma de jogos mais popular do mundo, com mais de 250 milhões de jogadores e uma receita de um bilhão de dólares, derivados de compras cosméticas dentro do Fortnite (que é gratuito para download).

10 — Pinterest

 (Pinterest/Divulgação)

Valuation: 12 bilhões de dólares
País de origem: Estados Unidos
Indústria: redes sociais
Investidores selecionados: Andreessen Horowitz, Bessemer Venture Partners, Firstmark Capital

O Pinterest é uma rede social na qual seus usuários colocam “pins” em imagens inspiracionais e criam suas próprias coleções de fotos e desenhos. Algumas categorias de imagens são beleza, moda e saúde. O Pinterest prepara seu IPO para este ano.

11 — Bitmain Technologies

bitcoin cash

 (Tomohiro Ohsumi/Bloomberg)

Valuation: 12 bilhões de dólares
País de origem: China
Indústria: blockchain
Investidores selecionados: Coatue Management, Sequoia Capital China, IDG Capital

O equipamento da Bitmain é responsável por minerar uma “quantidade significativa” da oferta mundial da criptomoeda bitcoin, de acordo com o Business Insider. Em 2017, a companhia reportou lucros de 701,4 milhões de dólares. Seu IPO, no qual espera uma avaliação de 18 bilhões de dólares, está sendo adiado desde o ano passado diante de uma queda de expectativas sobre as criptomoedas e sua valorização.

12 — Samumed

Samumed Calvície

 (Samumed/Divulgação)

Valuation: 12 bilhões de dólares
País de origem: Estados Unidos
Indústria: biotecnologia
Investidores selecionados: Vickers Venture Partners, IKEA GreenTech

A Samumed, startup de biotecnologia de San Diego, procura reverter as consequências do envelhecimento — como calvície, rugas e cartilagens degeneradas. A Samumed levantou 348 milhões de dólares em 2018, atingindo 650 milhões de dólares em investimentos totais antes de seu IPO.

13 — GrabTaxi

Aplicativo Grab

 (Edgar Su/Reuters)

Valuation: 11 bilhões de dólares
País de origem: Singapura
Indústria: mobilidade urbana
Investidores selecionados: GGV Capital, Vertex Venture Holdings, Softbank

O GrabTaxi é um aplicativo que conecta motoristas e passageiros, com atuação em países como Singapura, Malásia, Indonésia, Filipinas, Vietnã, Tailândia, Mianmar e Camboja. No ano passado, a Uber vendeu sua operação no sudeste asiático para a empresa, em troca de uma participação de 27% da GrabTaxi. O negócio já captou 8,8 bilhões de dólares em aportes.

14 — Palantir Technologies

Pentágono, Estados Unidos

 (U.S. Air Force/Getty Images/Getty Images)

Valuation: 11 bilhões de dólares
País de origem: Estados Unidos
Indústria: big data/cibersegurança
Investidores selecionados: RRE Ventures, Founders Fund, In-Q-Tel

Fundada em 2004, a Palantir é uma empresa software especializada em análise de grandes volumes de informações (o chamado “big data”). Um de seus clientes é o governo dos Estados Unidos, para a identificação de organizações terroristas e detecção de fraudes e problemas de cibersegurança em empresas. A companhia está está projetando seu IPO para 2020.

15 — Global Switch

Valuation: 11 bilhões de dólares
País de origem: Reino Unido
Indústria: hardware e serviços computacionais
Investidores selecionados: Aviation Industry Corporation of China, Essence Financial, Jiangsu Sha Steel Group

A Global Switch é uma operadora de centros de dados britânica. Fundada em 1998, a empresa opera 11 data centers e foi vendida a um consórcio chinês de investidores. Seu IPO está planejado para este ano, em Hong Kong, em uma oferta de um bilhão de dólares.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.