Como o BB vai investir R$ 200 mi para se aproximar de startups

Banco do Brasil anunciou que vai investir mais de 2,3 bilhões de reais em tecnologia ao longo dos próximos três anos
Banco do Brasil: banco já tem parcerias com startups como Conta Azul e Resale (Paulo Whitaker/Reuters)
Banco do Brasil: banco já tem parcerias com startups como Conta Azul e Resale (Paulo Whitaker/Reuters)
C
Carolina Ingizza

Publicado em 13/08/2020 às 11:40.

Última atualização em 13/08/2020 às 13:14.

O ano de 2020 estabeleceu o quão importante é investir em tecnologia. Com a pandemia, todas as empresas, da noite para o dia, precisaram pensar em formas de continuar suas atividades de forma remota. Seguindo esse movimento, o Banco do Brasil anunciou que vai investir mais de 2,3 bilhões de reais em tecnologia ao longo dos próximos três anos. Além disso, a instituição financeira anunciou um programa para investir em startups brasileiras.

O banco irá investir até 200 milhões de reais em empresas de inovação que tenham soluções relacionadas com seu negócio. Na primeira fase do programa, serão colocados 100 milhões de reais em até 5 fundos que investem, principalmente, em empresas que estão levantando rodadas seed ou série A. 

“Temos como objetivo estabelecer parcerias e acelerar soluções tecnológicas”, diz Paula Sayão, diretora de negócios digitais do BB. Startups que trabalham com temas como open banking, segurança digital, tecnologia para agricultura e seguros poderão receber um investimento minoritário do banco. 

O BB trabalha há alguns meses para estabelecer as regras do programa e selecionar os gestores dos fundos. De acordo com Elias Lima, gerente responsável pelo programa, o banco seguiu as regras estabelecidas pelo decreto 9.283, de 2018, que regulamenta como as empresas públicas e mistas podem fazer este tipo de investimento. 

Além do capital que será investido nas startups, o banco espera fechar parcerias de longo prazo para melhorar a eficiência dos processos internos da instituição e aprimorar a experiência do cliente com os produtos. “A troca será importante para o banco ter contato com novas soluções e empreendedores. Para as startups, é uma oportunidade de ter contato com uma empresa grande, que tem experiência e muitos clientes”, diz Sayão.

O BB trabalha há alguns anos com startups. Com a Conta Azul, pequenas empresas podem automatizar a gestão de sua conta corrente e investimentos. Na parceria com a Bom Pra Crédito, os clientes podem simular contratações e operações de financiamento com a ferramenta da fintech. Em abril desse ano, o BB também anunciou uma parceria com a Resale, que opera a solução digital para venda de imóveis retomados pelo banco. “Com o programa, a ideia ter mais oportunidades de parcerias e estreitar o relacionamento com as startups”, afirma a diretora.