• AALR3 R$ 20,06 1.88
  • AAPL34 R$ 70,18 -4.39
  • ABCB4 R$ 16,60 -1.95
  • ABEV3 R$ 14,20 -3.60
  • AERI3 R$ 3,78 -2.83
  • AESB3 R$ 10,66 -1.39
  • AGRO3 R$ 30,75 -2.81
  • ALPA4 R$ 20,98 -2.37
  • ALSO3 R$ 19,47 -3.23
  • ALUP11 R$ 26,41 0.19
  • AMAR3 R$ 2,38 -2.46
  • AMBP3 R$ 30,90 1.95
  • AMER3 R$ 22,96 -0.26
  • AMZO34 R$ 67,68 -6.44
  • ANIM3 R$ 5,52 -3.33
  • ARZZ3 R$ 82,09 -0.82
  • ASAI3 R$ 15,48 -2.21
  • AZUL4 R$ 21,30 -4.01
  • B3SA3 R$ 11,54 -3.03
  • BBAS3 R$ 35,85 -1.59
  • AALR3 R$ 20,06 1.88
  • AAPL34 R$ 70,18 -4.39
  • ABCB4 R$ 16,60 -1.95
  • ABEV3 R$ 14,20 -3.60
  • AERI3 R$ 3,78 -2.83
  • AESB3 R$ 10,66 -1.39
  • AGRO3 R$ 30,75 -2.81
  • ALPA4 R$ 20,98 -2.37
  • ALSO3 R$ 19,47 -3.23
  • ALUP11 R$ 26,41 0.19
  • AMAR3 R$ 2,38 -2.46
  • AMBP3 R$ 30,90 1.95
  • AMER3 R$ 22,96 -0.26
  • AMZO34 R$ 67,68 -6.44
  • ANIM3 R$ 5,52 -3.33
  • ARZZ3 R$ 82,09 -0.82
  • ASAI3 R$ 15,48 -2.21
  • AZUL4 R$ 21,30 -4.01
  • B3SA3 R$ 11,54 -3.03
  • BBAS3 R$ 35,85 -1.59
Abra sua conta no BTG

50 startups: Stattus4 "aposenta os ouvidos" na hora de buscar vazamentos de água

Stattus4. startup do interior fundada no interior de São paulo, usa inteligência artificial e sensores para encontrar vazamentos de água
Marília Marcondes: para a CEO e fundadora da empresa, segurança hídrica é prioridade para o país (Exame/Leandro Fonseca)
Marília Marcondes: para a CEO e fundadora da empresa, segurança hídrica é prioridade para o país (Exame/Leandro Fonseca)
Por Victor SenaPublicado em 17/02/2021 12:19 | Última atualização em 17/02/2021 12:23Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Ao juntar o apelo da sustentabilidade ao de economia financeira, o caminho para uma tecnologia “pegar” é só questão de tempo. É por isso que a Stattus 4 está entre as startups que são promessas para 2021, como mostra a última edição de capa da EXAME.

Fundada no interior de São Paulo em 2015, a empresa fornece soluções para que distribuidoras de água encontrem vazamentos em encanamentos. O diferencial da empresa é o oferecimento de produtos que usam tecnologia avançada como sensores de vibração para encontrar onde a água vaza. 

O procedimento tradicional ainda depende dos ouvidos humanos e do aparelho geofone, que lembra um estetoscópio para paredes. Nos últimos quatro anos, a Stattus4 teve um aumento de faturamento de 400% ao fechar contrato com governos municipais e empresas de distribuição de água e esgoto. Hoje, a empresa atende 100 cidades no país, principalmente no estado de São Paulo. 

Sttatus4

Funcionário de companhia de água verifica vazamento com aparelho da Stattus 4 (Sttatus4/Divulgação)

A criação da Stattus4 coincidiu com a crise hídrica no estado de São Paulo, no ano de 2014. Na época, municípios da Grande São Paulo ficaram sem receber água durante diversas horas do dia devido à baixa reserva nos reservatórios da Cantareira. De acordo com Marília Marcondes, CEO e fundadora da empresa, a crise ajudou a conscientizar gestores públicos sobre a importância da segurança hídrica. 

De acordo com o Instituto Trata Brasil, os sistemas de distribuição perdem - por desperdício ou fraudes - 39,2% da água na média nacional. Esse desperdício, porém, não significa abundância. Quase 35 milhões de brasileiros não têm acesso a água tratada. Esse desperdício pode ser traduzido também em uma perda de R$ 8 bilhões no país, segundo Marília.

A busca por soluções de tecnologia que atuem em diminuir o desperdício tem direcionado os agentes públicos porque a meta de reduzi-lo  está entre os três objetivos colocados para as empresas no novo Marco Legal do Saneamento.

Os principais motivos para as perdas de água costumam ser tubulação antiga, pressão errada e fraude. Para encontrar os pontos de vazamento, a Stattus4 utiliza dois sistemas principais: um móvel e um fixo. 

Com o aparelho móvel, os técnicos percorrem áreas onde há suspeita de vazamento. Já os pontos fixos monitoram constantemente possíveis vazamentos, a partir da detecção das vibrações.

Entre os diferenciais que fizeram a startup sair do papel, na visão de Marília Marcondes, estão a aplicação da inteligência artificial e uma formação inicial entre os fundadores que era multidisciplinar. Entre as lições que os gestores da Stattus4 têm tido estão a necessidade de tomar rapidamente uma decisão, principalmente em um contexto instável, como o da pandemia.

Além do monitoramento de possíveis vazamentos de água, a empresa tem apostado também na leitura remota do consumo de gás encanado. A empresa foi convidada pela Comgás para aplicar uma tecnologia de leitura que ajudasse a otimizar a distribuição para as residências e fazer a distribuidora ter menos gastos. 

O projeto piloto opera em São José dos Campos, com 30 mil leitores de residências. A ideia é que com dados detalhados do consumo, hora a hora, a empresa possa otimizar a entrega da distribuição de gás para determinadas áreas da cidade em determinados momentos. Assim, poderia cortar custos.