A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Yakult encerra operação na Argentina

A Yakult tinha 70 empregados e operava com 300 distribuidores independentes que faziam entregas a domicílio, além das vendas diretas aos supermercados

Buenos Aires - A companhia de laticínios Yakult entrou para a longa lista das empresas que decidiram encerrar operações na Argentina no último ano. A decisão foi comunicada aos fornecedores e clientes na terça-feira (11). Sem maiores esclarecimentos, em sua página de internet (http://www.yakult-sa.com.ar ), a japonesa Yakult informa somente que "lamentavelmente, a empresa deixou de operar na Argentina".

Fontes do setor disseram que os motivos são os mesmos que levaram outras empresas a desistirem do mercado local: as restrições para importar; a impossibilidade de remeter lucros à matriz; o elevado custo de produção com rentabilidade limitada e os frequentes piquetes na porta da fábrica, que complicavam a produtividade.

Também havia dificuldades de posicionamento no mercado, com uma alta concorrência de produtos similares de companhias nacionais. A Yakult tinha 70 empregados e operava com 300 distribuidores independentes que faziam entregas a domicílio, além das vendas diretas aos supermercados e postos de serviços.

A saída da Yakult ocorre 15 anos após sua chegada e em um momento de fechamento de várias outras operações no país. A grife Kenzo, por exemplo, abandonou o país e argumentou que a decisão foi motivada "estritamente pela desaceleração econômica". Praticamente todas as marcas de luxo deixaram a Argentina nos últimos tempos: Louis Vuitton, Cartier, Pólo Ralph Lauren, Yves Saint Laurent, Escada e Empório Armani. Outras, como Calvin Klein, Chanel e Ermenegildo Zegna, chegaram a suspender suas operações temporariamente e reduziram substancialmente seus negócios.


Além do menor crescimento do país, as medidas governamentais de maior controle sobre a economia influenciam na decisão e também afetam empresas locais como a Tissage, de roupas femininas, que usava tecidos importados e acabou fechando as portas. Outros setores manifestaram dificuldades durante o ano, como de alimentos, papel, químicos e biodiesel.

Em outubro, os donos da produtora de biodiesel Tres Arroyos anunciaram o fechamento da unidade em consequência do aumento das alíquotas de exportação do produto e da redução da margem de lucro no mercado doméstico, limitada em 4%.

A indústria de papel Witcel, controlada pelo grupo holandês Arjowiggins e produtora de papel especial de alta qualidade, deixou o país por uma questão de "ajuste interno" para concentrar sua produção no Brasil. Em abril, a produtora de carboximetilcelulose sódica Latinoquímica Amtex encerrou suas atividades. E, antes disso, em novembro de 2011, foi a vez da fabricante de adoçantes Merisant.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também