Negócios

VW investirá R$ 520 mi para produzir novo Golf no Brasil

O presidente e CEO da Volkswagen do Brasil disse que a montadora alemã trabalha para ter o carro feito no país no período de dois anos


	Novo VW Golf: o CEO destacou que o Brasil é hoje o segundo maior mercado para a montadora fora da Alemanha
 (Divulgação)

Novo VW Golf: o CEO destacou que o Brasil é hoje o segundo maior mercado para a montadora fora da Alemanha (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 3 de outubro de 2013 às 17h43.

Brasília - O presidente e CEO da Volkswagen do Brasil, Thomas Schmall, anunciou um investimento de R$ 520 milhões para produzir o novo Golf no Brasil, o que inclui a ampliação da fábrica em São José dos Pinhais, no Paraná.

Num discurso marcado por otimismo com o potencial do mercado brasileiro, o executivo disse que a montadora alemã trabalha para ter o carro feito no país no período de dois anos.

Na tarde desta quinta-feira, 03, Schmall esteve reunido por cerca de 40 minutos com a presidente Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto, onde apresentou os planos da fabricante.

Segundo o CEO, o total que a Volkswagen planeja aportar no país chega a R$ 9,2 bilhões, entre 2012 e 2016.

Ele destacou que o Brasil é hoje o segundo maior mercado para a montadora fora da Alemanha.

"Acreditamos que o Brasil crescerá junto com a Volkswagen nos próximos anos", declarou. O montante aportado na fábrica paranaense se insere no plano da montadora de "globalização da tecnologia". "A Volkswagen vai mudar o portfólio inteiro da marca para plataformas globais."

Acompanhe tudo sobre:CarrosEmpresasEmpresas alemãsInvestimentos de empresasMontadorasVolkswagenVW Golf

Mais de Negócios

10 franquias baratas para quem quer deixar de ser funcionário a partir de R$ 2.850

Mukesh Ambani: quem é o bilionário indiano que vai pagar casamento de R$ 3,2 bilhões para o filho

De vendedor ambulante a empresa de eletrônicos: ele saiu de R$ 90 mil para mais de R$ 1,2 milhão

Marca de infusões orgânicas cresce com aumento do consumo de chás no Brasil e fatura R$ 6 milhões

Mais na Exame