Volkswagen voltará a lucrar no Brasil em 2019, prevê chefe de operações

Confiança do executivo Ralf Brandstätter se sustenta na recuperação da economia brasileira e nos carros que a Volkswagen pretende lançar em 2019

São Paulo – A Volkswagen está perto de voltar a lucrar com sua operação no Brasil e espera que a virada ocorra já em 2019, afirmou nesta quarta-feira, 23, o chefe global de operações da montadora, Ralf Brandstätter, que está de passagem por São Paulo e conversou com jornalistas.

A confiança do executivo se sustenta na recuperação da economia brasileira e nos carros que a Volkswagen pretende lançar este ano, com destaque especial para o T-Cross, principal aposta da marca para vender bem no segmento de utilitários esportivos, conhecidos pela sigla em inglês SUV e que tem sido o que mais cresce do mercado. “Preparamos a base para isso e a equipe está agora executando. Então, por que não (voltar a lucrar em 2019)?”, disse Brandstätter.

O presidente da Volkswagen para a América do Sul e Caribe, Pablo Di Si, que também participou da conversa, disse que a empresa só não voltou a lucrar ainda por causa da recente crise da Argentina, para onde a operação brasileira envia a maior dos carros destinados à exportação. Mas garante: “Estamos muito perto de voltar a fazer dinheiro”.

Segundo Di Si, a empresa passou por “significativas melhoras” no Brasil, como resultado de trabalho próprio. “Fazer dinheiro é consequência de comprometimento da equipe, fazer os produtos certos e ter autonomia da matriz da empresa”, afirmou o executivo.

As promessas dos executivos da Volkswagen para voltar a lucrar no Brasil foram feitas dias depois de uma das suas principais concorrentes, a GM, que fabrica carros da Chevrolet, ter sinalizado que poderia deixar o Brasil caso não voltasse a lucrar em 2019, depois de anos seguidos de prejuízo.

A montadora, líder de mercado no Brasil, disse aos seus funcionários que passa por “momento crítico” e, para ter algum alívio financeiro, pediu ao governo paulista antecipação do crédito a que tem direito no ICMS. Além disso, negocia com os trabalhadores algumas flexibilizações em acordos trabalhistas, como redução de piso salarial e aumento da jornada.

Num comunicado distribuído aos funcionários, a GM chegou a reproduzir reportagem publicada pelo jornal Detroit News, sobre recente declaração da presidente mundial da montadora, Mary Barra, em que ela deu sinais de que a empresa considera sair da América do Sul. “Não vamos continuar investindo para perder dinheiro”, disse.

Di Si, da Volkswagen, afirmou que a empresa também tem créditos do ICMS a receber, mas que são “pontuais”. Disse ainda que não pretende iniciar nenhuma negociação com o governo estadual no momento. A montadora terminou 2018 na segunda posição do mercado de automóveis no Brasil.

Parceria com Ford

O chefe global de operações da Volkswagen evitou dar detalhes sobre a recente parceria global com a Ford para produção de veículos comerciais. Por enquanto não há nada previsto para o Brasil. O que foi anunciado até o momento é que as duas montadoras vão compartilhar a plataforma de uma picape média, com vendas começando em 2022.

Brandstätter, no entanto, garantiu que os planos da montadora para o Brasil não serão alterados. “A estratégia definida para o Brasil continuará sendo seguida”, disse. O plano de investimento da montadora para o País, anunciado no fim de 2016, é de R$ 7 bilhões até 2020.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

ATENÇÃO: Mudança na sua assinatura da revista EXAME. A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos apenas uma edição por mês. Saiba mais