A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Você sabe o que significam os índices de sustentabilidade da B3?

Além de atraírem investidores comprometidos com o ESG, eles estimulam as empresas a adotar as melhores práticas ambientais, sociais e de governança

A sociedade está cada vez mais exigente quando falamos dos impactos trazidos pelos aspectos ESG, de ambiental, social e de governança. “Não é mais razoável que uma empresa ignore critérios de governança corporativa, impacto ambiental de suas atividades ou mesmo questões relacionadas a respeito, diversidade e ética”, avalia Cesar Sanches, superintendente de sustentabilidade da B3, sobre como os participantes da cadeia olham com mais atenção para as mudanças e como podem aprimorar suas práticas.

Ele tem razão. Os consumidores, de um lado, querem, mais do que nunca, consumir de empresas responsáveis. “O ESG veio para ficar e será cada vez mais transversal nas companhias. Além disso, os credores estão atentos porque mitigar riscos é sem dúvida um fator importante para o bom desempenho e a perenidade do negócio”, afirma Sanches. E na esteira de tudo isso, o investidor também já percebeu que empresas que dão atenção à agenda ESG tendem a produzir mais, performar melhor, mapear melhor seus riscos e obter ganhos relacionados à imagem e à reputação.

GPTW: um novo índice vem aí

Para ajudar as empresas a adotar e evoluir suas práticas de sustentabilidade, a B3 oferece ao mercado índices de sustentabilidade como o ISE B3, o ICO2 B3 e o IGCT B3 (saiba mais no box abaixo).

“O mercado ganha quando as empresas mapeiam e tomam conhecimento não apenas dos impactos que causam e os potenciais riscos mas também se dispõem a assumir os compromissos para a mitigação. O esforço da B3 é, com os índices, oferecer uma referência de mercado para gestores e investidores”, afirma Cesar Sanches.

E vem mais novidade por aí. “Estamos colocando na rua um novo índice em parceria com a GPTW, que reunirá as empresas listadas que são certificadas ou figuram no ranking das melhores empresas para trabalhar e, portanto, dão atenção especial a esse aspecto do pilar Social”, conta o superintendente. O índice será lançado em janeiro de 2022 e a primeira composição já incluirá as empresas premiadas desse ano.

Esse será o primeiro Índice GPTW no mundo, oferecendo aos investidores brasileiros uma nova alternativa para acompanhar o mercado financeiro com um viés ESG. “Hoje, a B3 tem um portfólio amplo de produtos e serviços para apoiar o mercado no tema, seja por meio de índices, ETFs, registro de títulos temáticos, CBIOs, ou oferecendo treinamento para as empresas que querem incorporar o tema em suas estratégias”, destaca Sanches.

Para os investidores atentos a essa nova realidade, já existem os produtos indexados a esses índices, como fundos abertos e ETFs, que entregam estratégias prontas para os investidores, além de contarem com uma gestão profissional.

Há, inclusive, uma geração que busca investimentos com propósitos e impactos positivos para a sociedade e para o planeta. Dentre os quase 4 milhões de investidores em renda variável na bolsa do Brasil, a parcela que mais cresceu foi a de investidores entre 18 e 25 anos.

A nova geração segue uma tendência de buscar não apenas investir, mas consumir de empresas que sejam responsáveis do ponto de vista ESG. Agora que você já sabe mais sobre o que está por trás dessa nova forma de pensar sobre investimento, você está pronto para também investir com propósito?

BOX ESG

ÍNDICES DE SUSTENTABILIDADE

Conheça três índices da B3 usados como referência para quem busca integrar o ESG à carteira:

Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE B3)
Criado em 2005, foi o primeiro índice de sustentabilidade na América Latina e o quarto no mundo. Seu portfólio representa 566,60 bilhões de reais em valor de mercado. Para as empresas, serve como diretriz para boas práticas.

Em 2022, trará um ranking das companhias reconhecidas pelo seu comprometimento com o tema.

Índice Carbono Eficiente (ICO2 B3)
Criado em 2010, demonstra o comprometimento das empresas com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono. Seu portfólio representa 1,4 trilhão de reais em valor de mercado.

Uma mudança na metodologia elevou em 132% o número de empresas integrantes da carteira, que passou a contar com companhias do IBrX 100 que apresentaram formalmente seus inventários de emissões de gases de efeito estufa à B3 em 2020.

Índice de Governança Corporativa Trade (IGCT B3)
Reflete o valor dos ativos de todas as empresas com governança corporativa diferenciada. Inclui ativos das empresas listadas nos segmentos Novo Mercado, Nível 1 e Nível 2 de governança corporativa. Seu portfólio representa 2,3 trilhões de reais em valor de mercado.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também