Por que as vendas de caminhões dispararam em 2021?

Até mesmo a venda de caminhões seminovos disparou no primeiro trimestre deste ano; busca por agilidade é impulsionada por commodities

Em 2021, quem vende caminhões no Brasil viu, em número de vendas, a tal da “recuperação em V”. Segundo dados da Anfavea, entre janeiro e abril deste ano, foram licenciados 35.862 caminhões, alta de 48% em relação ao mesmo período de 2020 -- e de 19,5% em relação ao período de janeiro a abril de 2019. De acordo com as montadoras ouvidas pela EXAME, as razões para a alta envolvem a combinação de safra recorde e alta do dólar, além de baixas taxas de juros, que motivaram a renovação de frotas.

A vida está mais complexa, a rotina mais intensa, mas a EXAME Academy pode ajudar a manter a mente em foco

Todo esse crescimento esconde uma preocupação em comum das montadoras: a falta de insumos para a produção dos veículos, diante de uma demanda tão alta, especialmente de semicondutores -- que passaram a ser vendidos principalmente para a produção de eletrônicos, segundo a Volkswagen Caminhões e Ônibus.

“Temos confiança no crescimento do setor, impulsionado principalmente pelo bom momento do agronegócio. Contudo, a combinação de incerteza em relação ao cenário futuro da covid-19 no Brasil, somada à escassez de semicondutores, podem impedir que o crescimento do nosso setor atinja seu pleno potencial”, afirma Roberto Cortes, presidente e CEO da empresa.

Para entender essa crise, é necessário lembrar que a Renesas Electronics, uma das principais fabricantes de chips para o setor automotivo global, enfrentou um incêndio que paralisou por um mês a produção do componente, utilizado em painéis, motores e na transmissão do veículo. Soma-se a isso a já instaurada crise global de procura pelo insumo, afetada principalmente pela paralisação das fábricas e pela retração da demanda em 2020.

De olho em atender o setor, Cristiano Amon, CEO da Qualcomm, afirmou recentemente que a companhia pretende investir no relacionamento com o setor automotivo para fornecer semicondutores -- e a companhia já possui uma divisão totalmente dedicada a cuidar das montadoras. Ainda assim, ele projeta que o encontro entre oferta e demanda não deve acontecer tão cedo: somente no fim de 2021.

Além dos semicondutores, soma-se a dificuldade causada pelo aumento do preço do aço: o produto teve variação de 46% só neste ano e de 130% nos últimos doze meses, segundo a consultoria S&P Global Platts. E, ainda, a escassez de borracha -- esta última, causada por fatores como a retomada repentina do crescimento e uma doença que ataca as árvores que possuem a matéria-prima, segundo a Bloomberg.

“Enfrentamos dificuldades em toda a cadeia de fornecedores. Apesar disso, passamos por um momento um tanto ‘mágico’ com o aumento expressivo em todos os segmentos em que atuamos: nas vendas de semipesados, crescemos 79%, de pesados, 61%, e na de medios, 95%”, afirma  Márcio Querichelli, líder da IVECO na América do Sul.

Alta na demanda faz com que seminovos tenham alta de preços - e fiquem mais caros do que os veículos zero quilômetro

Diante da alta demanda e da escassez de componentes, procurar até mesmo por caminhões seminovos para atender às divisões dedicadas a esses veículos está complicado. A urgência por um caminhão -- que, quando novo, pode levar meses da compra até a entrega -- fez com que as vendas dos usados tivessem alta de 42,5% no primeiro trimestre deste ano, segundo a OLX, plataforma de vendas de usados.

Quem atua dentro desse nicho afirma que a valorização foi tão alta que supera os preços praticados por veículos novos no mercado.”Os preços subiram 40% em relação ao mesmo período do ano passado. É um mercado bem ‘esquisito’ se pensarmos no preço, mas para quem precisa do caminhão, a agilidade é fundamental. Pagar mais caro pode valer mais do que esperar, para começar a atender os contratos que cada um possui”, diz Alcides Cavalcanti, diretor comercial da Volvo Caminhões e Ônibus.

A companhia também teve bons resultados nas vendas de produtos novos: o modelo FH 540 se manteve como o modelo mais vendido em todo o Brasil, fechando o ciclo de três anos consecutivos na liderança. Mesmo assim, a preocupação com os componentes faz com que soluções tenham de ser adotadas para manter tudo funcionando. 

“Projetamos crescimento de 40% em 2021, mas é claro que observamos os problemas enfrentados pelo setor. Além dos problemas com componentes, temos também desafios com a logística, já que a redução de navios para a América Latina, ainda como reflexo da pandemia, faz com que tenhamos de trazer peças importadas pelo frete aéreo, que é muito mais caro”, afirma Cavalcanti, da Volvo. Ele ressalta que esses fatores comprometem a margem da empresa e do setor, mesmo com o eventual repasse de parte dos custos para os consumidores.

Apesar das dificuldades, as perspectivas do setor ainda se mantêm positivas: estimativas da Anfavea mostram que a produção de caminhões pesados deve crescer 23% em 2021, mesmo com os desafios enfrentados no país, em relação às consequências da covid-19. As dificuldades enfrentadas pelo setor podem atrasar esse crescimento, mas, ao que tudo indica, enquanto as commodities estiverem enfrentando um bom momento, montadoras terão “um bom problema”: atender a uma demanda que cresceu e deve continuar crescendo. 

Quer saber tudo sobre as montadoras? Assine a EXAME e fique bem informado.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também