Negócios

Turistas fazem reservas com antecedência para África e Antártida e apostam na retomada do setor

No início da pandemia, especialistas em viagens se apressaram em determinar a forma da recuperação. Seria em forma de L? Mais como um W? Até agora, poucas respostas

Ambiente da Antártida: no início da pandemia, especialistas em viagens se apressaram em determinar a forma da recuperação. Seria em forma de L? Mais como um W? Até agora, poucas respostas (Wikimedia Commons/Wikimedia Commons)

Ambiente da Antártida: no início da pandemia, especialistas em viagens se apressaram em determinar a forma da recuperação. Seria em forma de L? Mais como um W? Até agora, poucas respostas (Wikimedia Commons/Wikimedia Commons)

LB

Leo Branco

Publicado em 22 de fevereiro de 2021 às 20h43.

No início da pandemia, especialistas em viagens se apressaram em determinar a forma da recuperação. Seria em forma de L? Mais como um W?

Um ano depois, apesar de breves períodos de recuperação e muita demanda reprimida, a retomada das viagens ainda está por chegar.

Ainda assim, há sinais de otimismo, tanto para a indústria quanto para pessoas ansiosas para tirar a poeira das malas. Consumidores começam a fazer reservas agora para viagens que esperam realizar daqui a meses ou mais no longo prazo.

Alguns mercados, incluindo a África e a Antártida, estão indo bem, seus estoques mais caros já se esgotaram para períodos de alta temporada (inverno e verão austral, respectivamente).

É o caso de Miami. Dos cerca de 15 hotéis cinco estrelas que podem ser reservados no Expedia para a semana do Dia do Presidente nos EUA, todos, exceto quatro, estavam lotados. Aqueles com disponibilidade tinham apenas os quartos mais caros.

No St. Regis Bal Harbour, apenas algumas suítes de US$ 3.500 por noite não haviam sido reservadas; o estoque restante no 1 Hotel South Beach era restrito principalmente à suíte presidencial, que, por US$ 50.617 por noite, custaria quase meio milhão de dólares para reservar para todo o feriado de fevereiro.

A chamada Magic City é procurada por vários motivos. O fechamento de fronteiras internacionais deixou turistas em busca de alternativas domésticas para as fugas remotas, e o clima da Flórida é imbatível.

O prefeito Francis Suárez tem atraído executivos de tecnologia para transferir suas operações já virtuais para o estado, visto com impostos mais favoráveis. E as regras contra a Covid-19 da Flórida são mais flexíveis, permitindo que os visitantes comam e festejem em quase qualquer lugar.

As companhias aéreas, por sua vez, responderam a essa demanda aumentando os voos. Mesmo no auge da segunda onda de infecções, Miami recebia até 90.000 visitantes por meio de seu aeroporto internacional em qualquer dia, em comparação com a média de 105.000 a 115.000 em tempos normais.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Acompanhe tudo sobre:ÁfricaAntárticaBloombergPandemiaTurismo

Mais de Negócios

Sob nova gestão, iFood prepara investimentos em startups e mira verticais de mercado e de benefícios

Colaboração entre Dell e Microsoft facilita a vida de empresas na gestão do ambiente multicloud

EXCLUSIVO: novo fundo de investimento, Moni Capital, do Grupo ND, tem R$ 80 milhões para startups

Após cair 10% em maio, PMEs gaúchas voltam a crescer em junho e começam a se recuperar da enchente

Mais na Exame