A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Tesla reunirá 9 mil pessoas em fábrica que ainda não está aprovada

Complexo da Alemanha deverá ser inaugurado em 2022 e produzirá cerca de 500.000 carros por ano

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia

Acredite: a Tesla prepara um evento para 9 mil pessoas em Gruenheide, na Alemanha, no sábado (9), onde será levantada a primeira fábrica da empresa na Europa. E o próprio CEO, Elon Musk, estará por lá. Mais curioso que reunir tanta gente – mesmo com protocolos para evitar o risco de covid-19 –, é saber que, por enquanto, essa nova estrutura não recebeu aprovação final.

Fábrica (ainda) não foi aprovada

Curioso para saber como os norte-americanos conseguiram levantar a construção? Com uma pitada de ousadia (e com a pré-aprovação das autoridades locais). Essa ferramenta não é exceção, considerando que outras empresas também recebem a mesma colher de chá. Mas existe uma pegadinha no benefício, considerando que, sem confirmação, tudo precisará ser colocado para baixo.

Claro que a confiança da Tesla não é totalmente sem fundamentos: políticos defendem publicamente a instalação da fábrica, que produzirá 500.000 veículos e 50 GWh em capacidade de baterias anualmente (mais que qualquer outra no país). E nem mesmo salários 20% abaixo daquele negociado com sindicatos ou contratar poloneses, pagando menos, parecem pôr em risco a empreitada.

Fábrica da Tesla na Alemanha Fábrica: unidade de Gruenheide deverá iniciar produção em 2022

Fábrica: unidade de Gruenheide deverá iniciar produção em 2022 (Tesla/Divulgação)

“Dinheiro chama dinheiro”

Para a Tesla, a nova fábrica europeia será uma ganha-ganha: além de reduzir os custos de logística para vender os carros no continente, terá acesso aos incentivos fiscais destinados a novas tecnologias. Cerca de 1 bilhão de euros será oferecido pelo governo alemão à aliança de empresas (que incluem os norte-americanos) e mais 1,6 bilhão de euros serão destinados aos projetos futuros.

E, se tudo acontecer como previsto – o que é praticamente um milagre em tempos de pandemia e crise de componentes –, a produção deverá iniciar em julho do próximo ano com o SUV Model Y, que, hoje, é importado da China. Também há burocracias a serem resolvidas, pois o projeto não previa uma unidade para montagem das baterias e isso rendeu 813 objeções junto às autoridades.

Tesla Model 3 Futuros europeus: Model 3 (foto) e Model Y serão feitos na Alemanha

Futuros europeus: Model 3 (foto) e Model Y serão feitos na Alemanha (Tesla/Divulgação)

Recorde de vendas em plena crise

Nem mesmo a crise de fornecimento de semicondutores, que freou as estimativas de vendas em todo o mundo, foi capaz de afetar a Tesla, que bateu recordes de vendas pelo segundo período consecutivo: no terceiro trimestre, o fabricante emplacou 241.300 unidades (com 72,3% mais que no mesmo período de 2020). Tanto que a companhia espera vender 1 milhão de unidades neste ano.

Por enquanto, os norte-americanos têm apenas duas fábricas em funcionamento: nos Estados Unidos e na China. Mas essa estrutura deverá dobrar de tamanho já nos próximos meses, com a inauguração das linhas de montagem na Europa e de uma segunda unidade no país de origem. De acordo com analistas, o crescimento iminente foi essencial na negociação com fornecedores de peças.

Só que esse ainda não é um conto de fadas: a Tesla enfrentou acusações de falhas no Autopilot, sistema de pilotagem autônoma oferecido nos carros da marca, e problemas de construção. Também foi alvo de boatos de defeitos nos sistemas de freios das unidades produzidas na Ásia e questões de confiabilidade que resultaram no recall de praticamente todas unidades comercializadas por lá.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também