Terceirização dos recursos humanos pode valer a pena

A depender do número de funcionários, terceirizar a parte burocrática dos recursos humanos pode ser vantagem ou aumentar os gastos do negócio

São Paulo – Até pouco tempo atrás, estratégia, plano de carreira, qualidade de vida e motivação não eram as prioridades dos famosos DPs – departamentos pessoais, os atuais recursos humanos.

Acontece que, nos últimos anos, muito pouco mudou na burocracia da gestão de pessoas. Os benefícios e a folha de pagamento seguem lá, ocupando o tempo de profissionais que, em alguns casos, poderiam estar concentrados nas partes estratégica dos recursos humanos.

Para empresas em início de operação, a terceirização costuma ser uma boa saída. Especialmente no caso das estrangeiras, iniciando operações por aqui. “Interpretar a legislação trabalhista brasileira é muito complicado. Dos nossos clientes, 70% são multinacionais”, afirma Sandra Lucena, diretora comercial e de marketing da Propay – empresa de outsourcing de processos de recursos humanos.

No entanto, nem sempre essa é uma boa alternativa. Sandra explica que terceirizar o processo só vale a pena para empresas com mais de 100 funcionários. No mesmo sentido, quando o número de funcionários cresce demais o produto deixa de ser tão vantajoso. “Tem empresas que ficam gigantes e partem para o insourcing”, diz.

Para dentro

É o caso da Azul. No começo a empresa aérea encontrou na terceirização a melhor saída para os processos mais burocráticos. “Isso poderia tirar nossa atenção do processo de gestão de pessoas”, afirma Johannes Castellano, diretor de recursos humanos da empresa.

No entanto, o aumento no número de funcionários tornou o “outsourcing” contraproducente.  “Estávamos com 4 500 empregados quando percebemos que o processo fora de casa estava ficando muito caro”, diz.


A fusão com a Trip foi o estopim para uma mudança da estrutura de gestão. Com 9 500 funcionários, a terceirização dos processos sairia mais cara que a contratação de funcionários que hoje se concentram no assunto. “Era um bom momento para trazer os processos de volta para a empresa.”

Segundo Castellano, o resultado foi compensador. Especialmente pela maior agilidade nos resultados a partir da automação dos processos.

Resultado intangível

Na administradora de cartões Alelo, Débora Dado, diretora de Desenvolvimento Humano e Organizacional, terceirizou todos seus processos burocráticos. “O maior valor é a liberação de tempo para pensar em programas de capacitação, de liderança, coaching, entre outros”, diz Débora. “Não é uma redução de custo, mas um aumento de receita, porque o RH faz esse papel de impulsionar a receita da empresa a partir do ganho de produtividade e melhora do clima.”

Nesse momento, a estratégia da Alelo ainda é desdobrar seus conceitos para toda a empresa. A prioridade é sempre a aquisição mais recente: neste momento, o Ibi. “Estamos formando as lideranças e a cultura de alta performance”, diz.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.