Taurus transfere parte da produção de armas para os Estados Unidos

Objetivo da Taurus é aproveitar o crescimento do mercado americano e evitar alta carga de impostos. Fábrica nos EUA dobrou a capacidade de produção

A fabricante de armamentos Taurus transferiu uma das suas linhas de produção de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, para a recém inaugurada fábrica de Bainbridge, no estado da Georgia, Estados Unidos. O objetivo da empresa é aproveitar a alta do mercado americano de armamentos, o maior do mundo, e evitar a alta carga de impostos brasileira. A mudança não gera demissões no Brasil, de acordo com a companhia.

Foi transferida a linha de produção da pistola 9mm TS9 Striker, desenvolvida para uso policial e militar. A operação aumentará a capacidade da fábrica americana em 50 mil armas por ano. Até agosto, a Taurus pretende transferir outra linha de produção, a da pistola G2C, também de 9mm, a mais vendida da empresa, voltada para o uso civil e desenvolvida para o porte escondido. Neste caso, a expectativa é produzir 400 mil armas por ano, em dois turnos. 

Segundo a companhia, as armas importadas, quando adquiridas por entidades públicas brasileiras, como as polícias, são isentas de impostos. Salesio Nuhs, presidente da Taurus, afirma que é mais barato trazer as armas da fábrica da Geórgia do que produzir em São Leopoldo. De qualquer forma, a companhia ressalta que seguirá fabricando mais de 4 mil armas por dia no País. 

No ano passado, a Taurus produziu mais de 1 milhão de armas, ou cerca de 5.000 por dia. A nova fábrica americana dobrou a capacidade da empresa. A unidade foi construída com apoio do governo da Georgia, que concedeu incentivos fiscais. A maior capacidade ajudou a companhia a alcançar um lucro líquido de 43,4 milhões de reais, em 2019, revertendo um prejuízo de quase 60 milhões de reais, em 2018. 

O resgate da lucratividade veio apesar das críticas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro e seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro, a respeito da qualidade dos produtos da empresa. Eduardo chegou a afirmar que o governo “quebraria o monopólio da Taurus”. Desde o início do mandato, Bolsonaro vem flexibilizando as regras para aquisição de armas de fogo. Nuhs é crítico dessa política, pois, segundo ele, favorece produtores estrangeiros. Em entrevista à EXAME, o executivo afirmou que o Brasil “está se tornando um balcão de negócios” do setor armamentista.  

Nesse contexto, a estratégia da companhia é de crescer nos mercados internacionais. Além da nova fábrica, no ano passado, a Taurus firmou uma joint venture com uma empresa siderúrgica da Índia, para a produção de armamentos no país. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.