Taurus lança novo revólver, mas quem estiver no Brasil não poderá comprar

Modelo ainda aguarda homologação, que pode levar anos; vendas da Taurus crescem com Bolsonaro

A fabricante brasileira de armas Taurus acaba de lançar nos Estados Unidos o revólver Raging Hunter 460. O novo modelo será produzido no Brasil, mas não poderá ser comercializado aqui por enquanto.

A política vai seguir dando o tom na bolsa? Vai. E você pode aproveitar as oportunidades. Assine gratuitamente a EXAME Research

A companhia afirma que o produto aguarda a homologação no Brasil, e que “este processo é altamente burocrático, podendo levar anos, o que impede o desenvolvimento tecnológico e agilidade no lançamento de produtos no país”.

A linha Raging Hunter da Taurus possui armas voltadas para caça e lazer. O novo modelo visa “atender a demanda dos consumidores por opções de grandes calibres”, de acordo com o presidente da companhia Salesio Nuhs.

Apesar da dificuldade em lançar novos produtos no Brasil, a empresa tem se beneficiado do aumento da venda de armas no país. Nos nove primeiros meses de 2020, a receita da Taurus no mercado interno cresceu 95,9% em relação ao mesmo período de 2019, chegando a 241 milhões de reais. No mercado externo, o crescimento foi de 60,8%, para 971,6 milhões de reais.

Demanda crescente

O potencial de crescimento é ainda maior após decretos do presidente Jair Bolsonaro sobre o tema. Na semana passada, Bolsonaro assinou quatro decretos flexibilizando o uso e a compra de armas de fogo no país.

Um dos decretos aumenta de quatro para seis o número de armas de fogo que o cidadão comum pode possuir. O limite sobe para oito no caso de policiais, agentes prisionais, dentre outros.

Os decretos também passam a permitir o porte (ou seja, o direito de circular com o armamento) de duas armas ao mesmo tempo. Ampliam ainda a quantidade de munições que caçadores, atiradores e colecionadores podem comprar em um ano.

Os decretos são alvo de críticas de diversas entidades e partidos e podem ser discutidos na justiça. Um grupo de ONG’s anunciou que entrará no STF (Superior Tribunal Federal) para derrubar as decisões.

No ano passado, o ministro do STF Edson Fachin anulou outro decreto de Bolsonaro, que zerava a alíquota para a importação de pistolas e revólveres. A decisão ainda precisa ser avaliada em plenário.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.