Stone abocanha 7% do mercado brasileiro de adquirência

Credenciadora de cartões obtém licença do Banco Central para atuar como fintech de crédito e conceder empréstimos com dinheiro próprio

São Paulo - Mesmo com o acirramento do setor de adquirência, a credenciadora de cartões Stone registrou avanço de 173% em seu lucro líquido, que passou de 63 milhões de reais no segundo trimestre de 2018 para 172 milhões de reais no mesmo período de 2019. As receitas também subiram 69% para 586 milhões de reais.

O resultado positivo se deu com aumento da base ativa de clientes que chegaram a 360 mil, um aumento de 80% em relação ao mesmo período de 2018. O que consequentemente também elevou o volume de transações que passam pelas maquininhas verdes, que passou de 18,5 bilhões de reais para 29,8 bilhões de reais no trimestre. Com isso, a Stone superou a marca de 100 bilhões de reais transacionados em 12 meses, o que representa que a credenciadora passou a deter 7% do mercado brasileiro de adquirência.

A oportunidade de fornecer financiamento às pequenas e médias empresas — tanto via pré-pagamento quanto por meio de crédito — é enorme. Tanto é que, desde que começou a oferecer soluções de crédito, em março de 2019, a Stone já concedeu empréstimo para 3 mil clientes. Até julho, o total desembolsado superava 50 milhões de reais. "Acreditamos que temos cerca de 1% de participação de mercado nessa oferta específica no Brasil", afirma Thiago Piau, CEO da Stone, no relatório de resultados.

Recentemente, a Stone obteve licença do Banco Central para operar como uma fintech de crédito — mais especificamente, como Sociedade de Crédito Direto (SCD) — usando capital próprio. Além disso, a credenciadora continua expandindo o piloto do banco, testando novas funcionalidades e serviços. Dessa forma, alcançou 10 mil contas abertas no fim do segundo trimestre.

Piau acrescenta que os resultados demonstram que a companhia tem um relacionamento sólido com a base de clientes. "Somos capazes de mantê-la mesmo em momentos em que a indústria está somente focada em preços. Como resultado de mais investimentos nas nossas operações, conseguimos ter incremento recorde no número de clientes (51 mil) e continuamos ganhando fatia de mercado", escreveu .

"Nossa visão de longo prazo é oferecer aos comerciantes uma ampla gama de serviços que eles precisam para iniciar, administrar e expandir seus negócios, seja online ou offline. Estamos construindo um ecossistema de soluções que vão desde serviços financeiros e software de gerenciamento até ferramentas que aprimoram a capacidade dos comerciantes de vender online, bem como suporte operacional", acrescenta.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.