Startup que atende iFood e BRF quer seu delivery chegando por drones

A SpeedBird Aero, que projeta e pilota drones para voos comerciais, recebeu novo aporte de R$ 35 milhões para espalhar seus equipamentos pelo país
Samuel Salomão e Manoel Coelho, da SpeedBird Aero: startup de drones capta R$ 35 milhões para acelerar entregas não tripuladas no Brasil (Alexandre Battibugli/Divulgação)
Samuel Salomão e Manoel Coelho, da SpeedBird Aero: startup de drones capta R$ 35 milhões para acelerar entregas não tripuladas no Brasil (Alexandre Battibugli/Divulgação)
Por Maria Clara DiasPublicado em 25/05/2022 12:49 | Última atualização em 26/05/2022 15:03Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Fazer um pedido via aplicativo e receber em sua porta, ao invés de um entregador, um drone com sua encomenda "em mãos". Parece uma episódio que foge à curva, mas para a SpeedBird Aero esse é o futuro da logística urbana. E para ter um impulso a mais ao tirar essa ideia do papel, a startup de Franca, no interior de São Paulo, acaba de anunciar uma captação de R$ 35 milhões para pivotar de vez a linha de produção de seus drones proprietários para entregas comerciais em uma rodada série A envolvendo os fundos Domo Invest, Nau Capital, Bela Juju Ventures e alguns investidores anjo.

Fundada em 2018 pelos empreendedores Manoel Coelho e Samuel Salmoão, a startup dos drones já atraiu empresas como iFood e BRF com seus equipamentos de voo não tripulados fabricados e controlados em território nacional. Com iFood, por exemplo, a SpeedBird já realiza algumas entregas na Região Nordeste do país, especialmente na capital Aracaju.

Já com a BRF, o projeto vai mais além: os drones da SpeedBird fazem a ponte, em Santa Catarina, entre laboratórios genéticos e fazendas interessadas em agilizar procedimentos de inseminação artifical nos rebanhos. "É uma questão de eficiência, agilidade e segurança. Evitamos acidentes no meio do caminho e evitamos um deslocamento desnecessário", explica Coelho, CEO da empresa.

O foco da SpeedBird, segundo o fundador, está em criar uma nova malha logística capaz de destravar entregas de produtos no país. O alvo primário da empresa são os alimentos, bebidas, medicamentos e outros itens ligados às áreas de saúde e bens de consumo. "Desde o início, a proposta da SpeedBird é resolver o gargalo logístico, que sabemos que é um problema grave do Brasil", diz. "Para conseguir isso, nossos pilares são segurança e sustentabilidade".

Além das três aeronaves que fabrica — com capacidades de transportar cargas de até 3kg, 8kg e 5kg em distâncias de 3, 7 e 50 quilômetros —, a empresa segue o modelo drone as a service, ou "drone como serviço", no qual passa a atender grandes companhias interessadas não apenas nos equipamentos mas na mão de obra responsável por pilotar as aeronaves.

É uma proposta que chama a atenção de empresas com áreas de inovação dedicadas a pesquisa, por exemplo. No ano passado, Avon e Natura fizeram testes técnicos de entregas de cosméticos com os drones da SpeedBird. O laboratório Hermes Padini também liderou alguns testes com a startup dos drones para a entrega de vacinas e exames.

Os voos da SpeedBird

O novo cheque chega em boa hora. Em janeiro deste ano, a SpeedBird recebeu o aval da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para operar aeronaves não tripuladas para entregas em caráter comercial, e passou a ser a primeira companhia brasileira a dotar essa chancela. Até então, o certificado dado à startup permitia apenas voos experimentais.

A expectativa é que, com o novo aporte e a chancela oficial do regulador, a startup possa abandonar o caráter de teste e passar a produzir — e pilotar — seus drones em larga escala, além de expandir o grupo de operadores para algo em torno de 100 funcionários — hoje são 25.

De mudança para uma nova fábrica, agora de mais de 2 mil metros quadrados, a SpeedBird espera mais do que dobrar sua capacidade de produção mensal de drones, para dez equipamentos por mês. Também no novo espaço, a startup deve inaugurar centros de treinamento de operadores e uma central de controle de voos, bem no modelo aeroporto da coisa. "Temos certeza de que os drones serão um novo modal de transporte. Teremos até 250 aeronaves até o final do ano que vem", diz.

“O interesse pela SpeedBird está de olho no futuro. Acreditamos no potencial dessa nova indústrai e desse novo o modal logístico que a empresa está ajudando a construir no Brasil e no mundo”, diz Mario Letelier, sócio e gestor do Fundo Anjo da Domo Invest.

LEIA TAMBÉM

Marvin: fintech dos recebíveis levanta US$ 15 mi para revolucionar uso das maquininhas

Unicórnio: Nowports, de logística, capta US$ 150 mi com SoftBank