Startup chilena que fatura US$ 40 mi com bioplásticos chega ao Brasil

Startup fabrica embalagens e sacolas plásticas com um tipo de matéria-prima que promete desintegrar-se rapidamente — e, assim, aliviar a pressão sobre aterros sanitários e lixões
Ignacio Parada, fundador da BioElements: “O Brasil é um dos maiores mercados de plástico do mundo e nossa expectativa é que o país seja a nossa maior operação na América Latina” (Divulgação/Divulgação)
Ignacio Parada, fundador da BioElements: “O Brasil é um dos maiores mercados de plástico do mundo e nossa expectativa é que o país seja a nossa maior operação na América Latina” (Divulgação/Divulgação)
Por Leo BrancoPublicado em 21/05/2022 08:00 | Última atualização em 20/05/2022 12:17Tempo de Leitura: 4 min de leitura

A lixarada extra gerada por gente trancada dentro de casa durante a pandemia, e vivendo na base de delivery de itens básicos como comida, virou uma oportunidade de negócio para o empreendedor chileno Ignacio Parada.

Parada é fundador da BioElements, uma startup de Santiago do Chile dona de uma tecnologia de resina apelidada de BioE-8 e com uma formulação mantida em segredo pela empresa.

O que são os bioplásticos

A BioE-8 serve de matéria-prima para embalagens de plástico com uma pegada mais sustentável — também conhecidos pelo jargão bioplásticos.

Na lista de produtos da startup estão sacolas plásticas comuns a supermercados, além de caixas e envelopes para acomodar produtos comprados pela internet.

Assine a newsletter Empreenda e receba, gratuitamente, conteúdos para impulsionar o seu negócio!

Quem são os clientes

Entre os mais de 30 clientes da BioElements estão grandes varejistas com operações na América Latina como Falabella, Mercado Livre, Sodimac e Adidas.

“O diferencial do bioplástico da BioElements é que o material é renovável e biodegradável no meio ambiente em até 20 meses, sem liberação de qualquer resíduo tóxico”, diz Parada, cofundador e CEO da BioElements.

“O plástico é um material importante para todos os setores da economia e, em algumas situações, não tem substituto adequado. Entretanto, sua decomposição no ambiente leva pelo menos 400 anos, o que vem causando problemas ambientais relevantes, especialmente nos oceanos.”

Expansão acelerada

A inovação da BioElements, aliada à pressão extra por plásticos criada pelo isolamento social, fez com que a empresa tenha sido uma das startups que mais cresceram na América Latina nos últimos anos.

Fundada em 2014, a empresa atua em oito mercados: Estados Unidos, México, Colômbia, Peru, Chile, Paraguai e El Salvador.

“Entre 2019 e 2020, nosso faturamento dobrou e, no período seguinte, o crescimento foi de 160%”, diz Adriana Giacomin, diretora de vendas da BioElements no Brasil.

Em 2021, a startup foi selecionada pela Endeavor Chile para ser parte da rede global líder em apoio ao empreendedorismo de alto impacto. Além disso, venceu o prêmio PwC Chile Innovación, que reconhece e incentiva práticas inovadoras.

Entrada no Brasil

Em 2022, a empresa prevê receita de 40 milhões de dólares, alta de 54% sobre o ano passado.

Em boa medida a expansão virá de clientes no Brasil, um mercado recém-aberto pela BioElements.

“O Brasil é um dos maiores mercados de plástico do mundo e nossa expectativa é que o país seja a nossa maior operação na América Latina”, diz Parada.

A entrada no Brasil coincide com parcerias feitas pela empresa com um laboratório de ponta da Universidade Federal do Rio de Janeiro para acelerar pesquisas sobre novos usos para a resina já desenvolvida pela BioElements — e de outras matérias-primas a serem desenvolvidas pela startup.

O problema do plástico

O uso excessivo de plástico é uma das maiores ameaças ao meio ambiente. Um estudo global publicado na revista Nature Sustainability em 2021 mostrou que 80% do lixo encontrado nos oceanos é composto por plástico, sobretudo sacolas e garrafas. Entre os efeitos nocivos do material para a fauna marinha estão o emaranhamento de animais, a ingestão, o sufocamento e o aparecimento de parasitas.

Dados do Banco Mundial apontam que o Brasil é o quarto maior produtor de lixo plástico do mundo, descartando quase 80 milhões de toneladas por ano. O país fica atrás apenas de EUA, China e Índia.

O uso de bioplásticos biodegradáveis contribui tanto para a diminuição da produção de lixo plástico quanto para o aumento da capacidade dos sistemas de manejo do lixo, uma vez que o material se decompõe no ambiente.

Só 1% de bioplásticos

Os bioplásticos ainda respondem por menos de 1% dos 359 milhões de toneladas de plásticos fabricados anualmente no mundo, segundo a associação European Bioplastics, que representa o setor. A produção, no entanto, cresce ano a ano.

Entre 2018 e 2019, a expansão da capacidade instalada foi de 5%, chegando a 2,1 milhões de toneladas. A expectativa da associação europeia é que esse número continue evoluindo e chegue a 2,4 milhões de toneladas em 2024.

VEJA TAMBÉM:
Com Loft e Housi entre clientes, proptech Captei levanta R$ 7,5 mi
Mexicana Luuna chega ao Brasil para brigar no mercado de colchão na caixa