Negócios

Sindicato processa GM por falta de pagamentos

Chicago - A União de Trabalhadores do Automóvel abriu processo na terça-feira contra a montadora americana General Motors (GM), que acusa de não cumprir o compromisso de pagar 450 milhões de dólares a um fundo fiduciário para a antiga filial e a fabricante de autopeças Delphi. A ação apresentada em uma corte federal de Detroit, […]

GM vai enfrentar processo nos EUA do sindicato dos trabalhadores do setor automotivo (.)

GM vai enfrentar processo nos EUA do sindicato dos trabalhadores do setor automotivo (.)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h39.

Chicago - A União de Trabalhadores do Automóvel abriu processo na terça-feira contra a montadora americana General Motors (GM), que acusa de não cumprir o compromisso de pagar 450 milhões de dólares a um fundo fiduciário para a antiga filial e a fabricante de autopeças Delphi.

A ação apresentada em uma corte federal de Detroit, Michigan, pede a "reparação de parte da companhia pelo não cumprimento do compromisso assumido no contrato trabalhista para um pagamento específico à Associação Voluntária de Funcionários Beneficiários" (VEBA, na sigla em inglês).

A VEBA foi criado como um fundo fiduciário para cobrir os custos médicos dos aposentados da Delphi após a falência, ano passado.

O governo de Estados Unidos, que é dono de 61% da maior montadora do país, já advertiu que não pretende prosseguir indefinidamente com a situação, mas se desfazer da participação na GM pode levar anos.

Acompanhe tudo sobre:AutoindústriaEmpresasEmpresas americanasGM – General MotorsIndústriaIndústrias em geralMontadorasProcessos judiciaisSindicatos

Mais de Negócios

Marca de infusões orgânicas cresce com aumento do consumo de chás no Brasil e fatura R$ 6 milhões

Descubra 4 formas de pedir empréstimo e quais são as vantagens e desvantagens de cada uma

Apoio Financeiro no RS: prazo para adesão ao termina nesta sexta-feira; saiba como se inscrever

Com nova fábrica, Gelato Borelli vai triplicar produção e planeja faturar R$ 360 milhões em 2024

Mais na Exame