• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 14,02 -0.85
  • AERI3 R$ 3,64 -1.62
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 19,01 -0.47
  • ALUP11 R$ 26,80 0.75
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 30,05 -1.60
  • AMER3 R$ 23,47 1.65
  • AMZO34 R$ 66,64 -0.42
  • ANIM3 R$ 5,45 -1.09
  • ARZZ3 R$ 81,36 0.20
  • ASAI3 R$ 15,96 3.30
  • AZUL4 R$ 21,10 -0.66
  • B3SA3 R$ 12,04 1.95
  • BBAS3 R$ 37,00 3.64
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 14,02 -0.85
  • AERI3 R$ 3,64 -1.62
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 19,01 -0.47
  • ALUP11 R$ 26,80 0.75
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 30,05 -1.60
  • AMER3 R$ 23,47 1.65
  • AMZO34 R$ 66,64 -0.42
  • ANIM3 R$ 5,45 -1.09
  • ARZZ3 R$ 81,36 0.20
  • ASAI3 R$ 15,96 3.30
  • AZUL4 R$ 21,10 -0.66
  • B3SA3 R$ 12,04 1.95
  • BBAS3 R$ 37,00 3.64
Abra sua conta no BTG

Siemens abandona negócios na Rússia por causa da guerra na Ucrânia

A companhia informa em comunicado que já começou a reduzir suas operações comerciais e todas as suas atividades de negócios industriais no país
 (Reuters/Arnd Wiegmann/File Photo)
(Reuters/Arnd Wiegmann/File Photo)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 12/05/2022 16:00 | Última atualização em 12/05/2022 16:00Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A Siemens anunciou nesta quinta-feira que deixará o mercado da Rússia, "como resultado da guerra na Ucrânia". A companhia informa em comunicado que já começou a reduzir suas operações comerciais e todas as suas atividades de negócios industriais no país, acrescentando que o impacto financeiro da decisão será reportado como parte de seu balanço regular do segundo trimestre.

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mundo. Assine a EXAME por menos de R$ 11/mês

Após o começo da guerra, a Siemens já havia colocado novos negócios e entregas internacionais para Rússia e Belarus em "modo de espera", lembra a empresa.

Com sanções internacionais abrangentes e as medidas retaliatórias já em vigor e potenciais, há um impacto nas atividades da empresa, em particular no serviço ferroviário e de manutenção, aponta.

O executivo-chefe da Siemens, Roland Busch, condena a guerra no comunicado. Segundo ele, a decisão de sair do país não é fácil, por relações duradouras com funcionários e clientes, "em um mercado no qual temos estado ativos há quase 170 anos".

A Siemens diz que pretende realizar um processo ordenado de redução das atividades no país, em linha com as exigências regulatórias e as sanções internacionais em vigor.

(Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM:

O mexicano que acumulou US$ 81 bi e ficou mais rico que Zuckerberg

Quem é o francês que ganhou US$ 82 bilhões em 2 anos