• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Senado discute se McPicanha sem picanha é propaganda enganosa

Comissão debaterá se redes como McDonald's e Burger King enganaram consumidor ao comercializar sanduíches com nome de carnes nobres, mas que não levavam os ingredientes
Plenário do Senado: redes de fast-food foram convocadas pelo senador Nelsinho Trad (PSD-MS).  (Reuters/Adriano Machado)
Plenário do Senado: redes de fast-food foram convocadas pelo senador Nelsinho Trad (PSD-MS).  (Reuters/Adriano Machado)
Por Luciana LimaPublicado em 12/05/2022 06:00 | Última atualização em 12/05/2022 08:48Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Nesta quinta-feira, 12, às 10h, a Comissão de Transparência e Fiscalização do Senado vai debater se o McDonald’s e o Burger King cometeram propaganda enganosa ao vender sanduíches sem as carnes que davam nome aos produtos. 

Denúncias sobre o McPicanha e o Whopper Costela começaram a se espalhar nas redes sociais no final do mês passado, levando as duas redes ao Procon de vários estados. 

Diante disso, na semana passada, a comissão do Senado aprovou uma audiência pública com representantes do McDonald’s e Burger King para que as duas redes se explicassem. O requerimento foi sugerido pelo senador Nelsinho Trad (PSD-MS). 

“Trata-se da comercialização de sanduíches que levam no nome cortes de carnes nobres, como picanha e costela, mas que não passariam do aroma do molho. A forma como foi concebida a campanha publicitária do sanduíche induz ao entendimento de um produto com características diferentes daquele que tem sido entregue”, afirmou o parlamentar.

Além de representantes do Procon, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar), da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do blog Coma com os Olhos, que fez as denúncias, Trad também sugeriu a participação de porta-vozes do McDonald’s e do Burger King. Até ontem, a presença das duas redes de fast food não havia sido confirmada. 

Entenda a história 

O imbróglio começou no final do mês de abril, quando o McDonald’s anunciou o lançamento de uma nova linha de hambúrgueres, o McPicanha. Só que, embora tivesse o corte nobre no nome, o sanduíche não levava picanha em sua composição — mas, sim, um “aroma natural de picanha”, como esclareceu a empresa. Depois da confusão, a rede de fast-food decidiu retirar o McPicanha de todas as suas lojas

Poucos dias depois foi a vez do concorrente, o Burger King, se envolver com uma polêmica semelhante. Nas redes sociais, uma página de indicações gastronômicas acusou a rede de propaganda enganosa, uma vez que um dos seus sanduíches, o Whopper de Costela, não é feito com costela suína e também conta apenas "com aroma de costela".

Em nota, o Burger King afirmou que, desde o lançamento do produto, "sempre comunicou com clareza em todo o seu material de comunicação a composição do hambúrguer presente no sanduíche, produzido à base de carne de porco [paleta suína] e com aroma 100% natural de costela suína". Já o McDonalds pediu desculpas pela confusão e declarou que a escolha do nome tinha o efeito de “proporcionar uma nova experiência ao consumidor”. 

Porém, as denúncias resultaram em reações de Institutos de Defesa do Consumidor (Procons) de vários estados. Em São Paulo, o Procon notificou as duas redes, pedindo mais esclarecimentos, além do envio da tabela nutricional do sanduíches, atestando a composição de cada um dos ingredientes (carne, molhos, aditivos, entre outros). Já o Procon do Distrito Federal foi mais severo e determinou a retirada dos produtos do cardápio de ambas as redes.