Sem parques em 100% e sem novos filmes, faturamento da Disney desaba

A única boa notícia para a empresa durante a pandemia do novo coronavírus é o crescimento do serviço de streaming Disney+

Com alguns de seus parques temáticos ainda fechados ou funcionando parcialmente por causa da pandemia do coronavírus, a Walt Disney deverá apresentar forte queda de receita no balanço trimestral a ser divulgado nesta terça-feira (4). A previsão dos analistas é que a empresa de entretenimento tenha faturado em torno de 12,5 bilhões de dólares entre abril e junho, o que representaria uma queda de 38% em relação ao mesmo período de 2019.

Para o ano fiscal de 2020, que se encerra em setembro, a previsão é que a Disney feche com uma receita de 66,6 bilhões de dólares, uma queda de 4,3% em relação ao exercício anterior. O lucro operacional, porém, deverá cair bem mais: a previsão é que a Disney encerre o ano fiscal com um lucro de 5,8 bilhões de dólares, um recuo de 61% em relação a 2019.

O negócio dos parques temáticos e resorts representa 37% da receita da Disney. No dia 11 de julho, a empresa reabriu seu maior complexo de diversões, o Walt Disney World, em Orlando, na Flórida, depois de quase quatro meses de interrupção das atividades. A Flórida é o segundo estado com maior número de casos de covid-19 nos Estados Unidos (quase 492.000). O estado americano com mais pessoas infectadas é a Califórnia (522.000), onde a empresa opera a Disneylândia – o complexo está fechado desde 12 de março.

Fora dos Estados Unidos, a Disney tem parques temáticos em Xangai (reaberto em 6 de maio), Tóquio (voltou a funcionar em 2 de julho) e Paris (em atividade desde 15 de julho), todos operando com restrições pela necessidade de manter o distanciamento social. A Disneylândia de Hong Kong, reaberta em 18 de junho, foi fechada novamente em 15 de julho devido ao aumento de casos de covid-19 na região.

A divisão de cinema, responsável por 16% da receita da Disney, também sofre com a pandemia. A empresa anunciou recentemente que adiou por tempo indeterminado o lançamento de Mulan, uma live-action que estava programada para chegar aos cinemas nos Estados Unidos em março e que tinha sido postergada para 21 de agosto por causa do fechamento das salas de exibição. A Disney confirmou também o atraso nas filmagens de outras superproduções, como as sequências de Avatar e de Guerra nas Estrelas, que só devem chegar aos cinemas em dezembro de 2022 e dezembro de 2023, respectivamente.

Para compensar a perda de receita em seus negócios tradicionais, a Disney aposta cada vez mais no seu serviço de streaming de vídeo, o Disney+. Lançado em novembro de 2019, o serviço já contava no início de maio com cerca de 55 milhões de assinantes, número muito acima das expectativas da companhia, que tinha a meta de atingir entre 60 milhões e 90 milhões de assinantes no mundo somente no fim do ano fiscal de 2024. No ritmo atual, o Disney+ deve bater essa meta já no primeiro ano de lançamento.

Ainda está longe de ameaçar a líder do segmento (a Netflix tem cerca de 193 milhões de assinantes), mas abre boas perspectivas para a Disney num momento em que seus outros negócios dependem da estabilização da pandemia para se recuperar. Há quem projete que, em cinco anos, o Disney+ será um negócio capaz de gerar uma receita de 30 bilhões de dólares por ano.

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.