• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Sem parques e esportes, Disney se segura no Disney+

Apesar da aposta no streaming, o coronavírus atingiu segmentos de parques, experiência e canais de TV, mais de 60% do faturamento da gigante de mídia
Disney: parques e hotéis responderam por 37% do faturamento no último ano fiscal (Divulgação/Disney)
Disney: parques e hotéis responderam por 37% do faturamento no último ano fiscal (Divulgação/Disney)
Por Carolina RiveiraPublicado em 05/05/2020 06:11 | Última atualização em 05/05/2020 10:09Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O futuro precisou chegar para a Disney na marra. Após lançar em novembro passado seu serviço de streaming, o Disney+, visando um futuro em que seria mais inteligente ter contato direto com o consumidor, a Disney agora olha para o streaming como um dos principais salva-vidas da empresa em meio à crise do coronavírus.

Com um catálogo que vai de “Star Wars” a “Hannah Montana” ou “Os Simpsons”, o Disney+ bateu no começo de abril mais de 50 milhões de assinantes. O serviço ainda não é global: só estreou em países como Estados Unidos no ano passado e chegou em boa parte da Europa somente em abril. No Brasil, deve chegar no fim do ano.

O streaming é a galinha dos ovos de ouro em tempos de pandemia. A rival Netflix, que chegou a 182 milhões de assinantes, ganhou 16 milhões de novos usuários só no primeiro trimestre, um recorde absoluto — favorecido pelo isolamento social que forçou mais de um terço da população mundial a ficar em casa. O crescimento fez a “novata” Netflix, nascida em 1998, chegar a 188 bilhões de dólares em valor de mercado e ultrapassar a quase centenária Disney, que vale 186 bilhões (a Disney completa 100 anos em 2023).

Em seus negócios mais representativos até agora, a Disney foi duramente afetada pelo fechamento de seus parques e hotéis temáticos, que responderam por 37% do faturamento no último ano fiscal. Outros 36% vêm de seus canais de mídia, como a emissora esportiva ESPN, que nunca engrenou no streaming e sofre com a paralisação dos esportes ao vivo. Os filmes e projetos de estúdio previstos para este ano (16% do faturamento) também terão de ser adiados ou lançados só na internet.

Analistas apontam que deve haver alguma alta em audiência de canais de entretenimento. Ainda assim, o coronavírus já fez a empresa demitir mais de 100.000 funcionários, sobretudo nos parques — recebendo críticas da herdeira Abigail Disney, que disse que os bônus pagos a altos executivos, como o ex-presidente Bob Iger, que deixou o cargo neste ano, poderiam cobrir os salários.

Apesar das baixas, a estimativa é que o faturamento da Disney tenha alta de 18% no trimestre, para 17,7 bilhões de dólares, sobretudo em meio à ajuda da 21st Century Fox, cuja compra foi concluída no ano passado. O lucro por ação, por sua vez, deve cair 45%, muito acima dos anos anteriores. A receita dos parques pode cair acima de 12%, mas quedas piores devem vir nos próximos trimestres.

Analistas reduziram o preço-alvo da ação da empresa nas últimas semanas, com temores de que os efeitos da covid-19 sigam afetando os negócios no longo prazo. Em Xangai, onde os parques estão fechados desde fevereiro, a Disney ensaia uma reabertura. Na Europa e nos EUA, seguem fechados. Projeções mais pessimistas apontam que os espaços podem continuar sem funcionar até 2021. A ação da Disney caiu mais de 20% nos últimos 12 meses, ante queda de 3% no S&P 500.

Veja Também

Testes positivos de covid sobem para 23,6% em um mês
Brasil
Há 15 horas • 3 min de leitura

Testes positivos de covid sobem para 23,6% em um mês

Gol, Azul e Latam retomam serviço de bordo
Negócios
Há 23 horas • 2 min de leitura

Gol, Azul e Latam retomam serviço de bordo

Amazon Prime: assinatura fica mais cara nesta sexta-feira
Tecnologia
Há 23 horas • 1 min de leitura

Amazon Prime: assinatura fica mais cara nesta sexta-feira