Negócios

Sem apoio da Etihad, Air Berlin declara insolvência

Apesar da ação, a direção da Air Berlin afirmou que a companhia continuará operando normalmente

Air Berlin: a companhia aérea alemã recebia há anos injeções financeiras da Etihad para manter suas operações (foto/Wikimedia Commons)

Air Berlin: a companhia aérea alemã recebia há anos injeções financeiras da Etihad para manter suas operações (foto/Wikimedia Commons)

E

EFE

Publicado em 15 de agosto de 2017 às 16h25.

Frankfurt - A Air Berlin, a segunda maior companhia aérea da Alemanha, declarou insolvência nesta segunda-feira após ter deixado de receber apoio financeiro de seu acionista majoritário, a Etihad Airways.

A empresa entrou nesta segunda-feira com um processo no tribunal de Berlin-Charlottenburg para se declarar insolvente e dar sequência ao processo de reestruturação.

Apesar da ação, a direção da Air Berlin afirmou que a companhia continuará operando normalmente. As passagens compradas pelos passageiros seguem válidas, os voos previstos serão realizados e também é possível fazer novas reservas para viagens no futuro.

A companhia aérea alemã recebia há anos injeções financeiras da Etihad para manter suas operações, mas, nesta semana, o sócio majoritário não vai repassar o dinheiro necessário.

A Air Berlin seguirá funcionando graças a um crédito de 150 milhões do governo da Alemanha, que apoia da mesma forma a Lufthansa nos seus esforços de reestruturação.

A Lufthansa, que já aluga aviões da Air Berlin, negocia a aquisição de parte da empresa rival.

A segunda principal companhia aérea alemã está endividada e decidiu no ano passado reduzir sua frota para 75 aviões, demitindo 1.200 pessoas. Além disso, a Air Berlin vendeu para a Etihad sua participação na austríaca Niki por 300 milhões de euros.

Em 2016, a Air Berlin teve um prejuízo recorde de 872 milhões de euros, um crescimento de 75% em relação a 2015 devido aos custos de reestruturação e depreciações.

O plano era focar os voos da Air Berlin na Alemanha, Itália, países nórdicos e leste da Europa.

Acompanhe tudo sobre:companhias-aereasEmpresas alemãsEtihad

Mais de Negócios

Como linhas de crédito para COP vão ajudar Dona Lúcia, cozinheira que mudou o modo de comer no Pará

Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Casa do Pão de Queijo

De pequena farmácia a gigante da beleza, como O Boticário virou um fenômeno com R$ 30 bi em vendas

Smart Fit compra rede de estúdios Velocity por R$ 183 milhões

Mais na Exame