Saverin, do Facebook, supera Lemann como brasileiro mais rico do mundo

Empresário de 39 anos tem fortuna estimada pela Forbes em US$ 19,5 bi, boa parte dela formada por ações da rede social, que ultrapassou US$ 1 tri
Eduardo Saverin: boa parte da fortuna de Saverin é constituída por ações do Facebook, que recentemente tiveram forte valorização (Wei Leng Tay/Bloomberg/Getty Images)
Eduardo Saverin: boa parte da fortuna de Saverin é constituída por ações do Facebook, que recentemente tiveram forte valorização (Wei Leng Tay/Bloomberg/Getty Images)
A
Agência O Globo

Publicado em 06/07/2021 às 16:41.

Última atualização em 06/07/2021 às 16:49.

Eduardo Saverin, que ajudou Mark Zuckerberg a fundar o Facebook, ultrapassou o empresário Jorge Paulo Lemann no ranking de bilionários do planeta. Agora ele é o brasileiro mais rico, segundo apontou a lista de ricaços da revista Forbes que é atualizada em tempo real.

A pandemia mexeu com a economia e os negócios no mundo todo. Aprenda a investir com a EXAME Academy

Aos 39 anos, Saverin aparece no ranking com uma fortuna estimada em US$ 19,5 bilhões, maior que os US$ 19,2 bilhões atribuídos a Lemann, de 81 anos, um dos principais acionistas de empresas como a AB Inbev, dona da cervejaria Ambev no Brasil; a rede Lojas Americanas; o Burger King; e a Heinz.

A Forbes costuma publicar revisões consolidadas do seu icônico ranking de bilionários, mas mantém uma lista que faz um acompanhamento em tempo real das fortunas.

Essa atualização diária permitiu observar que Saverin ultrapassou Lemann, num reflexo da valorização recente do Facebook.

Na última versão consolidada do ranking, divulgada em abril, Lemann era o brasileiro mais rico e Saverin o segundo colocado. Na lista atualizada em tempo real, o fundador da Amazon, Jeff Bezos, se mantém no topo como o homem mais rico do mundo, com patrimônio de mais de US$ 208 bilhões. Saverin é atualmente o 95º e Lemann, o 98º.

Boa parte da fortuna de Saverin é constituída por ações do Facebook, que recentemente tiveram forte valorização.

A empresa que também é dona do Instagram e do WhatsApp ultrapassou pela primeira vez a marca de US$ 1 trilhão em valor de mercado no fim de junho, embalada por aumento nas receitas com publicidade e decisões favoráveis na Justiça que arquivaram ações contra ela por práticas anticoncorrenciais.

Investidor em negócios de risco

Saverin deixou o Facebook logo no início da empresa, mas manteve uma participação consideravel na empresa dirigida até hoje por Zuckerberg. Os dois foram colegas na Universidade de Harvard, nos EUA, onde nasceu a rede social.

Desde então, o brasileiro tem se dedicado à atividade de investidor na área de venture capital
(capital de risco) em negócios na área de teconologia, ampliando a sua fortuna. Em 2016, formou um fundo de investimentos chamado B Capital, que investe em start-ups na Ásia, Europa e EUA e já levantou US$ 766 bilhões entre investidores.

Nascido no Brasil, ele também tinha cidadania americana, mas abriu mão dela para se estabelecer em Singapura.

Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.