Negócios

Santos Brasil pode crescer mais do que prevê, diz Ativa

Média mensal movimentada até maio foi, aproximadamente, 17% superior à do no mesmo período em 2009

Terminal Santos Brasil no Porto de Santos: A empresa capacidade ociosa nesse porto de 40% no cais e de 50% em armazenagem

Terminal Santos Brasil no Porto de Santos: A empresa capacidade ociosa nesse porto de 40% no cais e de 50% em armazenagem

DR

Da Redação

Publicado em 24 de janeiro de 2012 às 18h00.

São Paulo - A Santos-Brasil, prestadora de serviços de operação portuária e logística, projeta um crescimento de 13,5% em volume movimentado em 2010 - atingindo 819.000 unidades. Mas ela pode crescer mais, segundo relatório do analista Artur Delorme da corretora Ativa. A média mensal movimentada nos cinco primeiros meses de 2010 foi, aproximadamente, 17% maior que a do mesmo período em 2009.

No primeiro trimestre de 2010, o volume de contêiner movimentado pela empresa cresceu 13,1% em relação ao mesmo período de 2009. No mês de maio, o volume movimentado foi recorde, segundo a Ativa. Isso leva a corretora a acreditar que o crescimento em 2010 será superior à projeção de 13,5%.

Pela sazonalidade do setor, o que se espera é que o volume cresça gradualmente no decorrer do ano, sendo o pico no terceiro trimestre, quando poderão ser movimentados volumes acima de 85.000 contêineres por mês. "Acreditamos que o guidance inicial de 13,5% seja superado com certa tranqüilidade em 2010", informou a Ativa em relatório.

A Santos Brasil ainda não atingiu a margem de ebitda (geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) que havia previsto para 2010 (34%) - no primeiro trimestre de 2010, a margem foi de 32,8%. Mas a Ativa acredita que isso vai se reverter, "dado o cenário atual de crescimento do volume acima do esperado", afirmou em relatório. Além disso, a importação está saindo da média de 47% em 2009 para representar 55% em 2010, o que também contribui para o ganho de margem da companhia, segundo a Ativa.

A empresa não pretende realizar nenhum reajuste de preço em 2010, "tendo em vista o atual momento de crise em que se encontram os principais armadores", segundo a análise. Em 2011, o reajuste será referenciado no mínimo da inflação acumulada dos últimos dois anos. Atualmente, o preço médio por contêiner é de cerca de 500 reais.


A Santos Brasil possui capacidade ociosa no Porto de Santos de 40% no cais e de 50% em armazenagem, o que diminui as necessidades de investimento nos próximos anos, segundo a corretora. Atualmente, a capacidade de movimentação é de 2 milhões de TEU's (cerca de 1,3 milhão de contêineres), podendo atingir 3 milhões de TEU's (cerca de 2 milhões de contêineres) usando a mesma área atual, apenas ampliando a produtividade, com um investimento de aproximadamente 200 milhões de reais, para aquisição de novos porteiners (guindastes para movimentação dos contêineres). O capex de manutenção da empresa é de aproximadamente 20 milhões de reais.

A companhia estuda a entrada de novos projetos no exterior, tanto na América do Sul quanto nos Estados Unidos. Ela também acredita que o processo de concessão de novos terminais portuários no Brasil poderá ocorrer até 2012, com foco nos terminais em Manaus e no Nordeste (Salvador e Suape). Outro projeto considerado importante para a companhia é o da área da Prainha, que deverá ser licitado após a remoção da favela instalada no local. O projeto vai possibilitar a instalação de mais dois berços - atualmente são cinco - com capacidade adicional de cerca de 700.000 TEU's.

Acompanhe tudo sobre:Crescimento econômicoDesenvolvimento econômicoInfraestruturaLogísticaPortosSantos BrasilSetor de transporteTransportes

Mais de Negócios

Sob nova gestão, iFood prepara investimentos em startups e mira verticais de mercado e de benefícios

Colaboração entre Dell e Microsoft facilita a vida de empresas na gestão do ambiente multicloud

EXCLUSIVO: novo fundo de investimento, Moni Capital, do Grupo ND, tem R$ 80 milhões para startups

Após cair 10% em maio, PMEs gaúchas voltam a crescer em junho e começam a se recuperar da enchente

Mais na Exame