Rolls-Royce terá novos diretores em janeiro

Warren East e Lee Hsien Yang farão parte do quadro da fabricante de motores

	Rolls-Royce em Inchinnan, Escócia: para presidente, novos quadros trazem experiência à companhia
 (Divulgação)
Rolls-Royce em Inchinnan, Escócia: para presidente, novos quadros trazem experiência à companhia (Divulgação)
S
Saulo Pereira GuimarãesPublicado em 08/11/2013 às 09:17.

São Paulo - A Rolls-Royce, fabricante de motores para aviões e navios, anunciou hoje mudanças na diretoria. A partir de janeiro, Lee Hsien Yang e Warren East assumem cargos de diretores não-executivos no quadro da companhia britânica.

Formado em Ciência da Engenharia na Universidade de Oxford, East comandava desde 2011 a ARM Holdings, empresa que é líder mundial no setor de semicondutores. Sua chegada a Rolls-Royce foi comentada por Ian Davis, presidente da companhia.

"Ele traz a riqueza da experiência no setor de tecnologia global e um excelente histórico de realização de negócios que será de grande valia para a Rolls-Royce", afirmou Davis.

Lee

Além da chegada de East, o presidente da Rolls-Royce também comentou a entrada de Lee na empresa. "Lee combina um grande conhecimento de engenharia com extensa experiência internacional em negócios nos nossos mais importantes mercados emergentes", afirmou Davis.

Lee estudou Ciência da Engenharia em Cambridge, trabalhou na Singapore Telecommmunications por 11 anos e é diretor da Autoridade de Aviação Civil de Singapura - entre outros cargos. Segundo o Financial Times, Lee é irmão de Lee Hsien Loong, primeiro ministro de Singapura.

"A Rolls-Royce não deu detalhes em relação ao inquérito no qual está envolvida por acusações de pagamento de propina na China e Indonésia", destacou a publicação britânica.

Corrupção

Desde o fim do ano passado, a Rolls-Royce é alvo de investigações por parte do departamento de fraudes da Inglaterra por conta de um possível envolvimento num esquema de corrupção e suborno naqueles países asiáticos.

É bom lembrar que, apesar do nome igual, a empresa não tem ligações com a grife de carros de luxo - que atualmente pertence à BMW.