• BVSP 117.669,90 -0,5%
  • USD 5,6830 +0,0022
  • EUR 6,7616 +0,0000
  • ABEV3 15,43 -0,13%
  • BBAS3 29,27 +0,55%
  • BBDC4 25,25 +0,04%
  • BRFS3 23,91 -1,97%
  • BRKM3 43,57 -0,98%
  • BRML3 9,95 +1,95%
  • BTOW3 62,7 -0,85%
  • CSAN3 89,25 -0,45%
  • ELET3 35,45 -1,50%
  • EMBR3 16,02 -0,37%
  • Petróleo 57,86 +0,00%
  • Ouro 1.750,70 +0,00%
  • Prata 25,34 +0,00%
  • Platina 1.207,10 +0,00%

LAFIS: Serviços volta a recuar, interrompendo sequência positiva

SÃO PAULO, 14 de janeiro de 2020 /PRNewswire/ -- A Pesquisa Mensal de Serviços referente ao mês de novembro de 2019, divulgada pelo IBGE no dia 14/01, registrou recuo igual a 0,1% no volume de serviços prestados no país em relação ao mês anterior na série com ajuste sazonal, interrompendo uma sequência de dois meses consecutivos de crescimento, o que representou uma alta de 2,2% entre setembro e outubro de 2019. Quando comparado ao mesmo período do ano anterior, porém, o setor avançou e apresentou crescimento igual a 1,8%, sendo esta a oitava taxa positiva (não sequencial) observada em 2019. A variação acumulada no ano foi de +0,9%, apontando para uma leve aceleração no ritmo de crescimento frente aos resultados observados no acumulado até agosto (0,5%), setembro (0,6%) e outubro (0,8%), todos em comparação com o mesmo período de 2018.

Por fim, de forma semelhante, a variação acumulada nos últimos 12 meses até novembro de 2019 apresentou crescimento de 0,9%, o que mantém o setor em uma trajetória ascendente desde agosto de 2019 (0,6%).

Variação acumulada em 12 meses do índice de volume de serviços

Fonte: IBGE.

Dentre as cinco atividades contempladas pela pesquisa, três apresentaram recuo mensal na série ajustada, sendo elas "Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio" (-0,7%), "Serviços prestados às famílias" (-1,5%), e "Serviços de informação e comunicação" (-0,4%). Já "Outros serviços" (1,7%) e "Serviços profissionais, administrativos e complementares" (0,1%) foram as atividades que avançaram no mês de novembro.

No que diz respeito à comparação com o mesmo período do ano anterior, a decomposição do resultado mostra que quatro das cinco atividades avaliadas registraram crescimento, representando 50,6% das 166 atividades avaliadas. São elas: "Serviços de informação e comunicação" (4,0%), "Serviços profissionais, administrativos e complementares" (2,8%), "Outros serviços" (6,1%), e "Serviços prestados às famílias" (1,3%). Enquanto isso, "Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio" (-1,9%) apresentou queda no mesmo período.

Os resultados descritos anteriormente têm sido negativamente influenciados pelas atividades relacionadas a transportes, principalmente transporte terrestre. No acumulado do ano, tal categoria segue em uma trajetória negativa mais intensa desde junho de 2019 (-1,4%), assim como no acumulado dos últimos 12 meses, em queda desde julho de 2019 (-0,1%), alcançando um recuo de 2,1% até o mês de novembro, o  mais intenso desde setembro de 2017 (-3,9%). Tais resultados foram impactados pelo desempenho negativo do transporte rodoviário de passageiros, mas principalmente de cargas, tendo em vista sua relação direta com a indústria nacional. Como boa parte da produção industrial é escoada via rodovias, o baixo dinamismo da indústria nos últimos meses tem se refletido em uma menor demanda por serviços de transporte rodoviário de cargas, o que, consequentemente, afeta negativamente o desempenho da atividade.

Desta forma, o setor de serviços como um todo segue 9,8% abaixo do nível recorde, observado em novembro de 2014, mas acima do patamar alcançado em dezembro de 2018 (1,1%), o que permite vislumbrar um encerramento positivo do setor em 2019, favorecido por fatores sazonais como: i) festas de final de ano; ii) férias; iii) liberação do FGTS e PIS/Pasep; e iv) geração de vagas de empregos temporárias a fim de atender ao aumento da demanda típica deste período.

Por fim, no que diz respeito à variação da receita nominal dos serviços, em novembro, esta recuou 0,5% em relação a outubro de 2019, e, em comparação com novembro de 2018, a variação foi positiva e igual a 5,0%. A taxa acumulada nos últimos 12 meses manteve-se positiva, alcançando um crescimento igual a 4,4%.

Especialista Responsável: Fernanda Rodrigues - Mestre em Economia Aplicada, pela Universidade Federal de São Carlos, atua como Especialista Setorial em Serviços ao Consumidor, canalizando esforços para o desenvolvimento e processamento de pesquisas quantitativas/qualitativas relacionadas aos mais variados tipos de serviços - comércio varejista geral, bancos, sistemas de saúde, e-business, entre outros.

Mais Informações:

Lafis Consultoria – www.lafis.com.br
atendimento@lafis.com.br
(11) 3257-2952

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1076604/Grafico_Lafis_Janeiro_Infographic.jpg?p=original

FONTE LAFIS