Reduzir descarte em 1% geraria economia de R$460 mi para empresas, diz GfK

Especializada em oferecer estudos de varejo para a indústria, consultoria vai passar a trazer dados com inteligência artificial, capazes de evitar desperdícios e de corrigir preços
Economia também pode chegar aos varejistas, com redução de devoluções de produtos, segundo a GfK (Emilija Manevska/Getty Images)
Economia também pode chegar aos varejistas, com redução de devoluções de produtos, segundo a GfK (Emilija Manevska/Getty Images)
K
Karina Souza

Publicado em 29/10/2021 às 15:35.

Última atualização em 29/10/2021 às 17:04.

A Black Friday está chegando e, com ela, vem a mobilização de fabricantes e de lojas para atender à demanda do consumidor. No último ano, só no comércio eletrônico, a data movimentou 7,72 bilhões de reais, crescimento de 27,7% em relação a 2019, segundo dados da Neotrust|Compre&Confie. Segundo a GfK, que considera o varejo on e offline, a data movimentou cerca de R$ 23 bilhões. E previsões da consultoria multinacional apontam que 79% dos consumidores querem gastar na data neste ano -- o que pode repetir o sucesso. Mas, mesmo com motivos de sobra para comemorar, a consultoria acredita que há muita ineficiência em todo esse processo, especialmente na relação indústria-varejo. Não só na Black Friday, mas no ano todo. Para tentar corrigir esse problema, a empresa traz ao mercado uma nova plataforma, chamada gfknewron.

Inovação abre um mundo de oportunidades para empresas dos mais variados setores. Veja como no curso Inovação na Prática.

Em linhas gerais, trata-se de uma plataforma que funciona no modelo Software-as-a-service, que coleta dados de venda de varejistas e fornece essas informações à indústria. Até aí, nada de novo sob o sol. O “pulo do gato” da multinacional está em cruzar informações de diferentes lojas e fornecer aos fabricantes não só os dados das próprias vendas, mas a possibilidade de estimar o próprio impacto em relação aos concorrentes. 

“Por exemplo: se uma fabricante de geladeiras quer aumentar preços do próprio produto, geralmente ela conseguiria ver apenas o impacto da própria linha de produtos no varejo. Com a nossa nova ferramenta, ela consegue perceber o impacto no setor como um todo, entendendo quanto de participação de mercado ela pode ganhar ou perder em relação à concorrência, em cada região do país”, diz Felipe Mendes, presidente da GfK América Latina, à EXAME.

Para garantir isso, a empresa se vale de três pilares: a confiança em atuar no varejo há mais de 50 anos de forma global, o fato de cobrir cerca de 90% das vendas realizadas no Brasil (compreendendo tanto on-line quanto offline) e o investimento em tecnologia para criar um algoritmo capaz de simular cenários para a indústria compreendendo pelo menos uma dezena de variáveis que podem ser customizadas de acordo com a necessidade de cada fabricante. 

E, para ajudar a convencê-los do benefício que os dados podem trazer, a consultoria fez uma estimativa a partir dos dados coletados. “Hoje, 180 bilhões de reais são monitorados pela GfK, conseguimos monitorar todas as categorias de produtos vendidas no Brasil. A partir de uma análise de todo esse processo, concluímos que muitas partes podem ser aperfeiçoadas a partir dos dados. Por exemplo, se as fabricantes desperdiçassem 1% menos produtos, teriam uma economia de R$ 460 milhões ao longo de um ano”, diz Felipe. A conta também chega ao varejo: se as varejistas dessem 1% menos de desconto durante o ano, elas gerariam 1,8 bilhão de reais a mais em faturamento. 

Por enquanto, a GfK tem quatro clientes utilizando a ferramenta no Brasil (entre os 59 que a companhia atende com análises de mercado). Para 2022, a meta é ter pelo menos um terço desse total presente na gfknewron. Além disso, a companhia projeta uma versão do software específica para atender às varejistas, contribuindo também para que consigam ter acesso aos mesmos algoritmos e conseguir prever precificação e de descarte com maior assertividade.

Em um mundo com uma necessidade cada vez maior de dados (e menos de uma análise de mercado clássica), a GfK quer mostrar ao setor que está pronta para fazer uma transição completa para o mundo digital. Fornecendo respostas como “quem comprou o que e a que preço?” e  “por que esse produto foi comprado?” a ideia da companhia é crescer, cada vez mais, no meio digital. 

Dá para dizer que é um passo a mais no compromisso firmado desde 2017, época em que o fundo KKR, conhecido pelo investimento em companhias de mídia, investiu na GfK para tornar a companhia uma líder de mercado com DNA forte em tecnologia. Indiretamente, também coloca a companhia em uma posição de maior competitividade contra a concorrência, como Nielsen, Kantar e Ipsos (ainda que cada uma tenha um nicho bastante definido de atuação -- e a GfK tenha certa distância competitiva na comparação entre países do mercado de bens duráveis). De todo modo, não dá para ficar parado -- e a consultoria entendeu isso.

"Queremos democratizar o acesso a dados relevantes e nosso principal intuito é o de que empresas de todos os portes possam adquirir esse serviço. Acreditamos muito nele e vamos continuar investindo cada vez mais em tecnologia. Nossa expectativa é a de que a ferramenta seja capaz de responder pelo crescimento de dois dígitos em 2022 e 2023 no Brasil", diz Felipe.