A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Recuperação do petróleo à vista

O mercado fechou em alvoroço nessa segunda-feira, na expectativa de ver o petróleo voltar a se recuperar. A reunião da Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep), em Viena, registrou avanços na negociação para controlar a oferta do combustível. O grupo volta a se reunir nesta terça-feira e, apesar de qualquer decisão só ser oficializada no dia 30 de novembro, o otimismo já toma conta dos investidores. O barril subiu mais de 4% na bolsa de Nova York, ultrapassando os 48 dólares.

Delegados que participam do encontro expressaram confiança de que os 14 países do bloco possam chegar a um acordo. Em setembro, a Opep já havia conversado sobre a possibilidade de reduzir a produção para um máximo de 33 milhões de barris por dia. Em outubro, a média de produtividade foi de 33,6 milhões de barris por dia. Para conseguir elevar o preço, porém, é preciso cortar pelo menos em 5% a produção, de acordo com previsão da agência de notícias Bloomberg, o que renderia uma alta 2,50 dólares no preço do barril. 

A preocupação maior é em relação ao Irã, terceiro maior produtor de petróleo. Para a Arábia Saudita, líder do bloco, o Irã deveria congelar a produção. O país reluta em aceitar a determinação, uma vez que apenas em janeiro deste ano foi liberado das sanções econômicas que por décadas restringiram sua participação no mercado, devido à sua política nuclear. A maior probabilidade é que o país tenha mais flexibilidade no acordo de controle da oferta.

Caso o acordo se concretize, será a primeira política de redução da produção desde 2008. O Brasil não faz parte da organização, mas se beneficia de qualquer política que impulsione uma alta nos preços. É uma chance especialmente para os novos campos do pré-sal, que têm dificuldades de se viabilizar com o barril abaixo dos 50 dólares. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também