Receita da Pepsico subiu 7% no 2º tri no Brasil, puxada por “comfort food”

Na pandemia, com as pessoas consumindo mais em casa, as vendas do grupo foram impulsionadas por alimentos como biscoitos e salgadinhos

Em meio à quarentena, os alimentos que trazem sensação de conforto - conhecidos como comfort food, como biscoitos, salgadinhos e achocolatados - contribuíram para a Pepsico registrar um aumento de 7% da receita no segundo trimestre fiscal da companhia (de março a maio), no Brasil.

“Com o estado de pandemia, observamos que as pessoas retomaram hábitos de consumo em casa, o que alavancou as vendas de alguns de nossos produtos como aveia, achocolatados, snacks e biscoitos”, afirma João Campos, presidente da divisão de alimentos da PepsiCo Brasil.

No período, o grupo priorizou a produção de itens com maior demanda, com oferta desses produtos em tamanhos de acordo com os diversos perfis de consumo, o que impactou positivamente os resultados do segundo trimestre, acrescenta o executivo.

Globalmente, o segmento de snacks da companhia registrou 5% de crescimento da receita orgânica, também impulsionado pelo aumento do consumo de alimentos em casa. Seguindo essa mesma tendência, na América do Norte o faturamento da marca Quaker aumentou 23% no período.

O desempenho positivo não foi verificado, porém, na receita global da Pepsico. No segundo trimestre fiscal da companhia, o lucro líquido recuou 19% na comparação anual, para 1,65 bilhão de dólares. Já a receita líquida caiu 3% na mesma base, para 15,96 bilhões de dólares.

"À medida que as restrições e o isolamento diminuíram e a mobilidade da população aumentou, vimos uma melhora no desempenho dos negócios e na dinâmica do mix dos canais de vendas. No entanto, o ambiente permaneceu volátil, com muitas incertezas quanto à duração e implicações da pandemia no longo prazo", disse Ramon Laguarta, presidente do grupo em relatório de balanço.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.