Negócios

Receita da Natura cresce 5% em mercado competitivo

O ebitda da empresa cresceu 7,2% e o lucro líquido da empresa atingiu R$215 milhões, segundo divulgação de resultados feita hoje, 22


	Natura: R$328 milhões foram investidos para aumentar a eficiência da companhia
 (Germano Lüders/EXAME)

Natura: R$328 milhões foram investidos para aumentar a eficiência da companhia (Germano Lüders/EXAME)

Karin Salomão

Karin Salomão

Publicado em 22 de outubro de 2014 às 19h14.

São Paulo - A receita líquida da Natura cresceu 5% no terceiro trimestre de 2014, refreada pela competitividade do mercado de cosméticos no Brasil.

O ebitda da empresa também cresceu 7,2%, segundo divulgação de resultados feita hoje, 22. O lucro líquido da empresa atingiu R$215 milhões, segundo Roberto Pedote, vice-presidente de finanças, relações com investidores e jurídico da empresa.

O lucro subiu 16,8% com ajuda de efeito não caixa, chegando a R$214,6 milhões em um momento de vendas fracas. Sem os efeitos não caixa de marcação a mercado, o lucro líquido teria apresentado retração de 3%.

O índice de inovação da empresa foi de 65,9% no período, em comparação aos 63,8% do mesmo trimestre do ano passado. Pedote explica o crescimento com os lançamentos da linha Soul, que completou um ano, além do desodorante da linha Ekos, que reduziu a emissão de CO2 durante aplicação em 48%.

Além das inovações, o aumento de 4% dos preços, em julho, também contribuiu para manter o ebitda positivo.

R$328 milhões foram investidos para aumentar a eficiência da companhia. Até o final de 2014, serão R$500 milhões investidos para descentralizar a logística, otimizar custos e processos.

As consultoras continuam sendo a base das vendas diretas da empresa e somaram 1,7 milhão no trimestre, das quais 1,3 milhão estão no Brasil. A produtividade das consultoras caiu 1% no trimestre, o que levou a Natura a adotar treinamentos e capacitações específicos. 

A Rede Natura, lançada em 2012, ainda é irrelevante para o faturamento da empresa. Pedote garante, no entanto, que a rede “será gigante no futuro. Estamos construindo essa alternativa (de compra e venda), buscando resultados a médio prazo”

Acompanhe tudo sobre:CompetitividadeCosméticosEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasgestao-de-negociosindustria-de-cosmeticosIndústrias em geralInvestimentos de empresasLucroNaturaResultadovendas-diretas

Mais de Negócios

Com nova fábrica, Gelato Borelli vai triplicar produção e planeja faturar R$ 360 milhões em 2024

A aposta de R$ 500 milhões de uma varejista gaúcha para fazer o maior complexo logístico do RS

'Jurassic Park' brasileiro anuncia novos parques depois de crescer 893% em 2023

Das dívidas aos bilhões: como a Marvel fugiu do colapso com uma estratégia financeira que mudou tudo

Mais na Exame