Negócios

Ranking microfranquias 2022: as 10 maiores franquias até R$105 mil

Gazin Semijoias é a maior microfranquia do Brasil com mais de 3 mil unidades

Microfranquias: Gazin Semijoias cresceu 51% em 2022 (Redes Sociais/Reprodução)

Microfranquias: Gazin Semijoias cresceu 51% em 2022 (Redes Sociais/Reprodução)

Isabela Rovaroto
Isabela Rovaroto

Repórter de Negócios

Publicado em 9 de fevereiro de 2023 às 13h30.

Última atualização em 27 de março de 2023 às 13h49.

mercado de franquias faturou mais de R$ 211 bilhões e cresceu 14,3% em 2022, segundo balanço divulgado nesta quinta-feira, 9, pela Associação Brasileira de Franchising (ABF).

Além do balanço anual, a entidade divulgou um ranking com as 10 maiores microfranquias de 2022, ou seja, as franquias com investimento incial de até R$105 mil.

As marcas integrantes do ranking de microfranquias somam 10.993 operações contra 7.367 em 2021, o que representa um crescimento de 49%. Neste grupo, predominam redes:

  • Serviços e Outros Negócios (58%)
  • Operações do tipo Outros Formatos, como home based e virtuais (28%)
  • Redes mais jovens (50% com até 6 anos)

Em relação à sede, há um relativo equilíbrio entre Sudeste (40%), Sul (40%) e Nordeste (20%). Nove redes são brasileiras e uma tem origem no Japão (Kumon). Além disso, quatro têm mais de mil unidades.

Veja quais foram as 10 maiores microfranquias em 2022 (por unidades)

PosiçãoMarcaUnidades em 2022Variação
Gazin Semijoias3.13851,00%
Prudential1.90716,00%
Kumon1.550-1,00%
Market4U1.477-
Acquio743-14,00%
Credfácil723-
CEOPAG65783,00%
 +ÁGIL554-
TOUTI53784,00%
10ºClube Turismo535-1,00%

O que motivou o crescimento em 2022?

Entre os principais fatores que contribuíram para este desempenho estão o forte retorno do comércio e atividades presenciais ao longo de todo o período, a recuperação da taxa de emprego, o avanço da digitalização e de outros canais de venda, principalmente o delivery, e os ganhos advindos das lições da pandemia. A emergência de novos modelos de negócio, principalmente virtuais e home based, o crescimento acelerado das microfranquias e marcas de outros mercados aderindo ao franchising são outros aspectos que também contribuíram.

Para Tom Moreira Leite, presidente da ABF, “em 2022 tivemos um amplo retorno dos contatos presenciais e ao longo de todo o período, inclusive com a retomada de hábitos como viagens e grandes eventos. Internamente, mantivemos o aprendizado da pandemia de fortalecer nossa operação em termos de eficiência e gestão, ao mesmo tempo em que continuamos a desenvolver capacidades e canais de venda digitais que mantêm uma participação muito relevante. Com isso, depois de uma curva de recuperação acelerada, voltamos a uma trajetória ascendente”.

 

Acompanhe tudo sobre:FranquiasFranquias baratas

Mais de Negócios

Marca de infusões orgânicas cresce com aumento do consumo de chás no Brasil e fatura R$ 6 milhões

Descubra 4 formas de pedir empréstimo e quais são as vantagens e desvantagens de cada uma

Apoio Financeiro no RS: prazo para adesão ao termina nesta sexta-feira; saiba como se inscrever

Com nova fábrica, Gelato Borelli vai triplicar produção e planeja faturar R$ 360 milhões em 2024

Mais na Exame