Quem é a União Química, que pretende produzir a vacina Sputnik V no Brasil

União Química se reúne nesta quinta-feira com a Anvisa e espera a aprovação do uso emergencial da Sputnik V no Brasil

A farmacêutica União Química passou a ser mais falada após demonstrar interesse em produzir no Brasil a vacina contra a covid-19 Sputnik V desenvolvida na Rússia. Mas sua história é de longa data. A empresa que começou em 1936 com o nome de Laboratório Prata, foi em 1970 adquirida por João Marques de Paulo, que deu origem à União Química.

A companhia, que faturou cerca de 2,7 bilhões de reais em 2020 e contrata 6.349 pessoas, tem no mercado medicamentos conhecidos como o anticoncepcional Ciclo 21, que produz 5,5 milhões de caixas por mês, ou ainda a solução de lágrima artificial Lacrifilm.

Está estruturada em cinco unidades de negócios: agener (animais de companhia, de produção e reprodução), farmacêutico (genéricos, similares e OTC), genom (prescrição médica), hospitalar e terceirização, e desde da década de 1980 é presidida por Fernando de Castro Marques, que falou à EXAME os detalhes sobre o interesse na Sputnik V.

"Nos aproximamos do governo chinês e russo antes da covid-19 por conta da nossa divisão animal, mas estreitamos laços para frear a pandemia", afirma Marques.

Aproximação com os russos

Depois de diversas aquisições de unidades fabris, como da Novartis em 2014, da Zoetis em 2017, e da Elanco na Geórgia, nos Estados Unidos, em 2018, Marques viu a oportunidade de se aproximar dos governos chinês e russo para ofertar a somatotropina bovina, indicada para a maior lactação das vacas, uma vez que a empresa estava focada no desenvolvimento também da divisão animal e estes países são grandes consumidores de leite -- a China, por exemplo, importa 17% de todo o leite produzido no mundo.

A partir dessa aproximação, quando surgiu a covid-19, foi possível estreitar o relacionamento com o governo russo para entender o desenvolvimento da Sputnik V e continuar o desenvolvimento na frente de biotecnologia da União Química.

"Estivemos na Rússia diversas vezes e fechamos um contrato com o Fundo Soberano da Federação da Rússia para o desenvolvimento em outubro do ano passado. Assim podemos vender a vacina para outros mercados independente da aprovação da Anvisa, uma vez que ela já está sendo aplicada em outros países e se mostrou segura", diz Marques.

Segundo ele, na semana passada sete executivos estiveram novamente na Rússia para esclarecer dúvidas regulatórias que serão repassadas para a Anvisa.

Doses

Marques afirma que, caso a Anvisa aprove o uso emergencial da vacina, o Brasil deve receber 10 milhões de doses neste trimestre. Já a produção por aqui deve começar em março em uma fábrica em Guarulhos, São Paulo, de 178 mil metros quadrados, e em outras unidades fabris.

"A partir de abril a projeção é fazer oito milhões de doses mensais, que no prazo de um ano é 96 milhões de doses. Estamos correndo contra o tempo e esperamos que essa mudança fortaleça a saúde do país, mas também uma política de incentivo à indústria", afirma.

A expectativa é que até amanhã, dia 22, ou sábado os técnicos da Anvisa se reúnam para analisar a solicitação de uso emergencial da vacina com base em novas informações apresentadas. taxa de eficácia da Sputinik V é de 91,4%, segundo o governo russo. Desenvolvida no Centro de Pesquisas Gamaleya, de Moscou, a vacina chamou a atenção de alguns estados brasileiros no ano passado. 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.