Negócios

Procon-SP notifica Azul, Gol e Latam sobre aumento de tarifas de bagagem

Empresas reajustaram tarifas para despacho de bagagem em voos internacionais e nacionais alegando aumento dos custos por conta da guerra na Ucrânia

Aeronaves da Latam e da Gol no aeroporto de Congonhas: empresas terão de explicar em detalhes o reajuste de tarifas (Germano Lüders/Exame)

Aeronaves da Latam e da Gol no aeroporto de Congonhas: empresas terão de explicar em detalhes o reajuste de tarifas (Germano Lüders/Exame)

O Procon-SP informou nesta quinta-feira, 7, que notificou as companhias aéreas Azul, Gol e Latam para que elas esclareçam o aumento de algumas de suas tarifas.

A decisão foi tomada após uma matéria publicada no UOL informar que, devido ao aumento nos custos das empresas aéreas por conta da guerra na Ucrânia, Gol e Latam reajustaram as tarifas para despacho de bagagem em viagens internacionais e nacionais.

Garanta o seu lugar entre as melhores do Brasil, entre no ranking Negócios em Expansão 2022

Em nota, o Procon declarou que as empresas deverão explicar quais são os itens que compõem o valor da taxa de despacho de bagagem um por um. Fora isso, deverão apontar quais deles são destinados aos custos administrativos e quais são usados para custear a operação de transporte aéreo.

As empresas deverão informar no detalhe o percentual de cada item em relação ao montante dos custos final até o dia 12 de abril.

O Procon-SP também quer saber a relação de custo administrativo em comparação ao custo do transporte de todos os voos e rotas que sofrerão a aplicação do aumento.

Acompanhe tudo sobre:AviaçãoAzulcompanhias-aereasGol Linhas AéreasLatam

Mais de Negócios

Marca de infusões orgânicas cresce com aumento do consumo de chás no Brasil e fatura R$ 6 milhões

Descubra 4 formas de pedir empréstimo e quais são as vantagens e desvantagens de cada uma

Apoio Financeiro no RS: prazo para adesão ao termina nesta sexta-feira; saiba como se inscrever

Com nova fábrica, Gelato Borelli vai triplicar produção e planeja faturar R$ 360 milhões em 2024

Mais na Exame