Negócios

Playcenter: Cacau Show terá 100 parques da marca nos próximos anos; veja onde fica o próximo

"Tem de ter paciência financeira para ter retorno, porque demanda muito investimento. Mas é mágico poder dar alegria para as pessoas", diz fundador da Cacau Show

Alê Costa, da Cacau Show, e Marcelo Gutglas, fundador do Grupo Playcenter: empresa quer ter 100 parques pelo país nos próximos 10 anos (Cacau Show/Reprodução)

Alê Costa, da Cacau Show, e Marcelo Gutglas, fundador do Grupo Playcenter: empresa quer ter 100 parques pelo país nos próximos 10 anos (Cacau Show/Reprodução)

Daniel Giussani
Daniel Giussani

Repórter de Negócios

Publicado em 25 de junho de 2024 às 18h17.

Última atualização em 25 de junho de 2024 às 19h22.

Nada menos do que 100 parques da Playcenter nos próximos dez anos. Essa é a meta que o fundador e CEO da Cacau Show, Alexandre Costa, conhecido mais pelo seu apelido "Alê Costa", estabeleceu nesta terça-feira, 25, enquanto inaugurava o primeiro parque sob gestão da rede de lojas de chocolate.

"Temos um projeto de expansão forte pela frente, estamos crescendo em outras áreas também, com hotéis e lojas temáticas, somos quase que uma construtora de médio porte, de tanto projeto", disse. "E queremos ter 100 lojas [da Playcenter] nos próximos dez anos".

A próxima ficará no Shopping Center Norte, em São Paulo. A empresa confirmou também nesta terça-feira que o centro comercial receberá uma operação do Playcenter Family. O parque terá 10 mil metros quadrados.

"O setor de parque de diversões é desafiador", afirma. "Tem de ter paciência financeira para ter retorno, porque demanda muito investimento. Mas é mágico poder dar alegria para as pessoas".

Quer dicas para decolar o seu negócio? Receba informações exclusivas de empreendedorismo diretamente no seu WhatsApp. Participe já do canal Exame Empreenda

Como é o primeiro Playcenter sob nova gestão

O novo parque da Playcenter fica dentro do Grand Plaza Shopping, antigo ABC Plaza Shopping, em Santo André. Leva o nome de Playcenter Family, um braço da Playcenter que já existe desde antes da aquisição pela Cacau Show. Trata-se de parques maiores do que um Playland (a menor atração da empresa em shoppings), mas menores do que um parque externo.

Aliás, o novo Playcenter Family fica onde funcionou, até abril, um Playland. De acordo com a Cacau Show, é o maior parque indoor de Santo André e Grande ABC.

Entre as atrações do parque, estão um bate-bate, uma árvore gigante, uma área de obstáculos, escorregadores, uma piscina de bolinhas gigante, um carrossel, um gira-gira em formato de balões coloridos, uma montanha-russa familiar, além de jogos e simuladores.

O espaço também tem área para receber festas de aniversário em pacotes especiais.

A marca Cacau Show está presente em várias partes do parque, principalmente nas áreas de alimentação. Há também inserções da Cacau Show na entrada da atração.

Quais são as atrações do novo parque

Entre as atrações adiantas à EXAME estão:

  • Kid Play (obstáculos, túneis, escorregador e piscina de bolinhas gigante)
  • Auto Pista (carrinho de Bate-Bate)
  • Lolly (uma árvore gigante)
  • Carrossel (famoso por suas cores e luzes)
  • Samba Balloon (balões coloridos que giram)
  • Chronoz (giros malucos em um grande relógio do tempo)
  • Dragon (montanha-russa)
  • Jogos e simuladores

Qual é a estratégia da Cacau Show

A Cacau Show está apostando cada vez mais na venda de experiências para agregar em seu faturamento. Recentemente, a empresa inaugurou uma montanha-russa dentro de uma de suas grandes lojas em Itapevi, na Grande São Paulo.

Além da montanha-russa, que chega a virar de ponta-cabeça, há um carrosel e um "trem-cinema", com cadeiras que se movem.

Somado a isso, foi divulgado recentemente que a Cacau Show vai construir um parque de R$ 2 bilhões em Itu, no interior de São Paulo. A informação é da Câmara de Vereadores da cidade. Segundo os vereadores, o parque temático vai ser instalado na Rodovia Castello Branco, entre os quilômetros 78 a 84,3 e deverá ser o maior da América Latina.

Recentemente, a empresa também comprou a fábrica da Chocolates Pan. Na ocasião, chegou a se especular que a empresa construiria um parque no local.

A aposta é reforçada agora com a aquisição do grupo Playcenter.

Qual é a história do Playcenter

Playcenter

Um dos primeiros grandes parques de São Paulo, o Playcenter foi inaugurado em 1973, inspirado nas grandes operações de diversão dos Estados Unidos e da Europa. O responsável pela história do Playcenter é o engenheiro Marcelo Gutglas, que no final da década de 1960 trazia para o Brasil os fliperamas, inspirado por visitas a um parque de diversões em Nápoles, na Itália. 

Do dia de sua inauguração, até o seu fechamento em 29 de julho de 2012, o parque contabilizou a visita de mais de 60 milhões de pessoas. Muitas delas iam de excursões que partiam de várias regiões, cidades vizinhas e até outros estados. 

No início de sua história, o mix de atrações era composto por atrações mais simples. Com o passar dos anos, as atrações tecnológicas foram chegando. O Playcenter chegou e ter grandes sucessos como:

  • Monga
  • Montanha Encantada
  • Colossus
  • Roda Panorâmica
  • Maria Fumaça
  • Sombras Mágicas
  • Castelo Mal Assombrado
  • La Bamba

Um dos grandes eventos da empresa eram as “Noites do Terror”. Elas começaram em 1988 e se tornaram um grande sucesso, permanecendo no calendário fixo de eventos do Playcenter até o seu último ano de funcionamento.

Playcenter

Brinquedo La Bamba do Playcenter. (Playcenter/Divulgação)

A crise no parque começou em 1995. Naquele ano, um acidente num dos brinquedos sacudiu a reputação da empresa. Com isso, Gutglas vendeu parte das ações do parque para a GP Investimentos, que criou futuramente o Hopi Hari. Em 2002, Gutglas retomou o controle do Playcenter e iniciou uma reestruturação, que incluiu uma reforma completa no parque em 2005. 

Em 2010, 15 pessoas ficaram feridas no acidente envolvendo dois carros da montanha-russa Looping Star. Em outro acidente, desta vez no Double Shock, algumas pessoas ficaram feridas em 2011. 

Além disso, a localização também impactou o fim do parque. Inicialmente concebido em uma área industrial, sem muitos vizinhos, o Playcenter com o passar dos anos foi “engolido” pela cidade, que passou a não mais comportar um parque daquele porte em área urbana. O antigo terreno onde funcionou o Playcenter atualmente abriga prédios comerciais, um residencial, empresas e estacionamentos. Já alguns brinquedos foram parar em outros parques de diversão.

Acompanhe tudo sobre:Parques de diversões

Mais de Negócios

Justiça condena Ypê por assédio eleitoral ao fazer live pró-Bolsonaro em 2022

Após venda de empresa, novo bilionário britânico vai compartilhar US$ 650 milhões com funcionários

O que levou a EMS a comprar a startup Vitamine-se

No lugar do call center, IA que cobra dívidas fecha mais de R$ 54 milhões em acordos em três meses

Mais na Exame