Petróleo cai a mínima em 17 anos com batalha entre russos e sauditas

No início desta tarde, a cotação dos contratos futuros atingiu a casa dos 25 dólares

O coronavírus continua causando efeitos devastadores na indústria do petróleo. Nesta quarta-feira, 18, os preços atingiram mínima em 17 anos, em torno de 26 dólares, com a pretensão da Arábia Saudita de ampliar as exportações da commodity para 10 milhões de barris por dia (bpd).

Com a queda da demanda, decorrente dos desdobramentos da pandemia, membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e a Rússia não conseguiram chegar a um acordo sobre cortes de produção para equilibrar os preços.

A decisão da estatal saudita, Saudi Aramco, foi de acelerar os níveis de produção. A Rússia também acaba de anunciar o ramp-up a partir de 1º de abril.

Com isso, os preços não param de cair. Por volta das 13 horas, a cotação do Brent recuava quase 10% e chegou a atingir a casa dos 25 dólares no mercado futuro.

O desfecho da guerra por market share entre as duas maiores potências da indústria petrolífera pode piorar daqui para frente, com o agravamento da pandemia e consequente redução do consumo no mundo.

"Aparentemente, as tentativas de diálogo entre os dois países acabaram de vez", afirma Jan-Jaap Verschoor, analista que trabalha em Londres na consultoria Oil Analytics.

Os sauditas têm o menor custo de produção de petróleo do mundo, entre 5 e 10 dólares por barril. Os russos estão bem próximos desse nível, entre 10 e 15 dólares, e ambos têm reservas gigantescas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.