Petrobras pede desculpas a 2 mil empregados que foram investigados

A estatal enviará cartas se desculpando com funcionários que foram alvos de investigações da Lava Jato por eventual envolvimento em corrupção

A Petrobras enviará cartas com pedidos de desculpas para cerca de 2 mil funcionários que foram alvos de investigações por eventual envolvimento em esquemas de corrupção, a partir da operação Lava Jato, afirmou nesta segunda-feira o presidente da petroleira estatal, Roberto Castello Branco.

Durante seu discurso em evento sobre conformidade na sede da empresa, o executivo frisou que as investigações internas a respeito desses funcionários foram inconclusivas. Para ele, inocentes foram perseguidos e privados do direito de uma defesa adequada.

"Estamos entregando cerca de 2 mil cartas pedindo desculpas às pessoas envolvidas e a seus familiares pelos danos causados. Essas pessoas foram investigadas e sequer tiveram direito de serem informadas de sua inocência ou de que o processo, as acusações, foram inconclusivas", disse o executivo.

"Sei que isso não é suficiente e não vamos apagar da mente e da memória das pessoas, mas considero muito importante um pedido de desculpas àqueles que foram vítimas do que eu chamo de 'jacobinismo', de excessos."

Maior operação de combate à corrupção da história do Brasil, com início em 2014, a Lava Jato desvendou um esquema bilionário de desvio de recursos públicos, com o envolvimento de grandes empreiteiras, políticos e partidos políticos. Muitas irregularidades foram apontadas em contratos com a Petrobras.

Castello Branco defendeu ainda que a baixa contábil de 6,2 bilhões de reais relacionada com valores desviados no esquema de fixação de preços, suborno e propina, reconhecida no balanço financeiro da empresa do terceiro trimestre de 2014, "não corresponde com a realidade".

"O Comperj é um verdadeiro cemitério da corrupção... Fizemos a refinaria mais cara do mundo, Abreu e Lima, que custou 20 bilhões de dólares, um valor que jamais será recuperado", disse o presidente da petroleira.

A empresa reduziu ainda, no quarto trimestre de 2014, o valor de seus ativos em 44,3 bilhões de reais, após ter reavaliado uma série de projetos, principalmente a Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, e o Comperj, no Rio de Janeiro.

Outras baixas contábeis relacionadas a ativos envolvidos na Lava Jato também foram realizadas posteriormente.

Também presente no evento, o diretor de Governança e Conformidade, Marcelo Zenkner, disse que a empresa não quer esquecer o que aconteceu no passado, mas quer tirar lições e continuar caminhando.

"Fizemos 53 mil visitas técnicas e treinamos 45 mil pessoas", afirmou Zenkner, explicando que há atualmente 194 agentes de integridade, "levando a palavra da ética, moralidade e integridade para disseminar essa cultura na empresa".

"O desafio para 2020 é fazer que os controles internos funcionem como óleo nas engrenagens da Petrobras", pontuou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.