Petrobras: em meio a renúncias, novo membro do Conselho pede para sair

Nesta terça-feira, quatro conselheiros fizeram o mesmo pedido e dois citaram a troca no comando da companhia como motivo

A Petrobras confirmou no começo da noite desta quarta-feira que Leonardo Pietro Antonelli pediu para não ser reconduzido ao conselho de administração da companhia. Leonardo Antonelli é o quinto conselheiro a pedir para não ser reconduzido.

Nesta terça-feira, quatro conselheiros fizeram o mesmo pedido e dois citaram a troca no comando da companhia como motivo.

João Cox Neto, Nivio Ziviani, Paulo Cesar de Souza e Silva e Omar Carneiro da Cunha Sobrinho são indicados pelo governo, acionista controlador da petroleira. Leonardo Antonelli, porém, é representante dos acionistas minoritários.

A saída dos membros do conselho repercutiu mal no mercado financeiro e as ações da companhia caíram durante esta quarta-feira.

Em nota, a Petrobras afirma que a não recondução do conselheiro não impede que ele seja eventualmente indicado e eleito novamente pelos acionistas minoritários, caso haja solicitação de voto múltiplo e ele receba votos para tanto.

A "debandada" acontece semanas após o presidente Jair Bolsonaro decidir trocar o presidente da estatal Roberto Castello Branco pelo general Silva e Luna.

A troca no comando da companhia aconteceu depois de uma série de altas nos preços dos combustíveis e de o presidente Jair Bolsonaro criticar a política de Castello Branco, que fica até 20 de março.

Castello Branco, que foi indicado pelo ministro da Economia Paulo Guedes, foi visto pelo mercado e por analistas nos últimos dois anos como um bom gestor, que reduziu o endividamento e ajudou a levar a companhia a focar em ativos mais estratégicos.

Em 2020, apesar da pandemia, a Petrobras teve um lucro líquido de 7 bilhões de reais. 

Troca de Castello Branco e do conselho

Roberto Castello Branco: "debandada" acontece semanas após o presidente Jair Bolsonaro decidir trocar o presidente da estatal pelo general Silva e Luna. (Sergio Moraes/Reuters)

Para ser presidente da Petrobras, é necessário fazer parte do conselho de administração, que reúne 11 nomes que representam os acionistas, incluindo o governo, os trabalhadores e os acionistas minoritários.

Ao decidir dar um cartão vermelho para Roberto Castello Branco, o presidente Jair Bolsonaro deu o primeiro de uma série de passos que são necessários para a troca.

Por meio do Ministério de Minas e Energia, o governo convocou uma Assembleia de Acionistas (o que todo acionista com mais de 5% pode fazer) e colocará em pauta a substituição de Roberto Castello Branco pelo general Silva e Luna dentro do conselho de administração. Como é acionista majoritário, não tem como perder.

Com a saída dos quatro conselheiros nesta quarta-feira, o governo deverá nomear substitutos para ser eleitos junto com o futuro presidente na assembleia.

Depois de aprovado o novo conselho, em que o nome de Luna deve então constar, haverá a votação para o cargo de diretor presidente, que precisa ser de alguém que está no grupo dos 11. Mais uma vez, como tem maioria, não tem como a União perder.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também