Negócios

Petrobras assina contrato de US$2,3 bi para 8ª unidade do campo de Búzios

Com capacidade de processamento de 180 mil barris de óleo por dia e 7,2 milhões de m3 de gás por dia, a plataforma será do tipo FPSO, unidade flutuante que produz, armazena e transfere petróleo

 (Sergio Moraes/Reuters)

(Sergio Moraes/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 11 de junho de 2021 às 11h47.

Última atualização em 11 de junho de 2021 às 11h48.

A Petrobras informou nesta sexta-feira que assinou contrato com a joint venture formada pelas empresas Saipem e DSME no valor de 2,3 bilhões de dólares para fornecimento da plataforma P-79, oitava unidade a ser instalada no campo de Búzios, no pré-sal da Bacia de Santos.

A pandemia mexeu com a economia e os negócios no mundo todo. Aprenda a investir com a EXAME Academy

Com capacidade de processamento de 180 mil barris de óleo por dia e 7,2 milhões de m3 de gás por dia, a plataforma será do tipo FPSO, unidade flutuante que produz, armazena e transfere petróleo.

A entrega da plataforma para Búzios, o maior campo de petróleo em águas profundas do mundo, está prevista para 2025, disse a Petrobras.

O fornecimento do FPSO será resultado da contratação na modalidade EPC (engenharia, suprimento e construção) e da estratégia da Petrobras de desenvolver novos projetos de plataformas próprias, incorporando as lições aprendidas nos FPSOs já instalados no pré-sal, disse a companhia em nota.

O contrato prevê o atendimento ao conteúdo local de 25%, requisito previsto em edital e compromissado com a ANP para o campo de Búzios.

O projeto prevê a interligação de 14 poços ao FPSO, sendo oito produtores e seis injetores, por meio de infraestrutura submarina composta por dutos rígidos de produção e de injeção e dutos flexíveis de serviços.

Atualmente, há quatro unidades em operação em Búzios, que respondem por mais de 20% da produção total da Petrobras. A quinta, sexta e sétima plataformas previstas para o campo estão em construção, e a nona unidade (P-80) está em processo de contratação, disse a empresa.

Acompanhe tudo sobre:Fusões e AquisiçõesJoint-venturesPetrobras

Mais de Negócios

Após cair 10% em maio, PMEs gaúchas voltam a crescer em junho e começam a se recuperar da enchente

Na febre das corridas de ruas, ele faz R$ 4,5 milhões com corridas em shoppings e até em aeroportos

Metodologia: como o ranking Negócios em Expansão classifica as empresas vencedoras

Cacau Show, Chilli Beans e mais: 10 franquias no modelo de contêiner a partir de R$ 30 mil

Mais na Exame