Acompanhe:

PagSeguro quer ter um banco, indo além das maquininhas, diz jornal

Atualmente a empresa oferece uma conta de pagamento, pelo meio digital ou por maquininhas

Modo escuro

PagSeguro: com um banco digital, poderia fazer a antecipação dos recebíveis de seus clientes (PagSeguro/Reprodução)

PagSeguro: com um banco digital, poderia fazer a antecipação dos recebíveis de seus clientes (PagSeguro/Reprodução)

Por Mariana Fonseca, Karin Salomão

Publicado em 18 de maio de 2018, 11h26.

Poucos meses depois de ter aberto o capital na Bolsa de Nova York, a PagSeguro tem novos planos. A companhia de meios de pagamento está planejando criar um banco, de acordo com a coluna Broadcast do Estadão.

De acordo com a publicação, a companhia já registrou o nome PagBank junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

Atualmente a empresa oferece uma conta de pagamento, pelo meio digital ou por maquininhas. Com um banco digital, poderia fazer a antecipação dos recebíveis de seus clientes e oferecer novos serviços, diz a coluna.

O ano está agitado para a companhia. Em janeiro, a PagSeguro realizou a maior abertura de capital da história do Brasil em solo americano, levantando 2,6 bilhões de dólares. A companhia, do UOL, foi um dos primeiros unicórnios brasileiros, depois da 99.

Já em março, o ex-presidente da Cielo, Rômulo de Mello Dias, passou a presidir a companhia, fazendo a concorrente cair na bolsa.

Nos meses seguintes, ela ganhou novos concorrentes. O Bradesco lançou sua maquininha, a "Bradesquinha", e a Cielo anunciou que ampliaria os seus terminais co-branded, com parcerias com Banco do Brasil, Caixa Econômica e redes de varejo.