A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

O que está por trás do sucesso do copo Stanley no Brasil

Empresa dona da marca teve um crescimento de 700% no faturamento desde 2018; copo Stanley já tem legião de fãs

Há mais de 100 anos a marca Stanley produz copos térmicos, mas foi só nos últimos tempos que ela caiu no gosto do brasileiro. A partir de 2018, a empresa PMI Worldwide, dona da marca, cresceu 700% em faturamento na América Latina, percentual impulsionado principalmente pela venda da linha bar, que inclui os famosos copos.

Assim que chegou à região da América Latina, a Stanley era forte principalmente na venda de produtos para consumo de erva mate, com foco em preservar a temperatura quente da água, no Uruguai e Argentina.

Em 2014, a PMI comprou a empresa familiar brasileira Aladdin e ganhou capilaridade e logística para apresentar a marca Stanley também aos brasileiros, principalmente a partir do sul do Brasil, onde também se comprava produtos para manter a água quente, como garrafas térmicas.

Aos poucos, a marca foi "subindo" no mapa e conquistando brasileiros que bebem mais bebidas frias.

Andréa Martins, presidente PMI Worldwide América Latina, é a executiva por trás da estratégia da empresa de associar os produtos ao calor do Brasil e atividades ao ar livre.

"O crescimento que tivemos se deve à legião de fãs que fomos criando e também ao fato de o Brasil ser o terceiro maior mercado consumidor de cerveja no mundo. É um país quente e o brasileiro gosta de cerveja muito gelada. Aí nosso produto cai de forma perfeita. Nisso, começamos a comunicar ao público que a bebida fica gelada até o último gole. Hoje, se você vai à praia com uma long neck, metade da bebida esquenta. Então, foi algo que veio totalmente alinhada com a cultura do Brasil", conta Andréa.

A técnica por trás dos copos Stanley, que mantém a temperatura da bebida por cerca de quatro horas, não tem nada de misterioso. Os copos e garrafas têm um vácuo entre as paredes que impedem a troca de temperatura.

O método foi criado pelo médico e inventor William Stanley Jr. na cidade de Nova York em 1913. Em 2002, a empresa familiar foi para dentro da PMI Worldwide, empresa que é principal parceira da produção de cópos térmicos da Starbucks.

Para Andréa, o sucesso que a Stanley tem tido também tem a ver com a capacidade de a marca olhar para hábitos de consumo de um público e colher dali o insights para o desenvolvimento de consumo. Além do chimarrão no sul do país e da cerveja, Andréa cita o hábito de beber o chá Tereré no centro-oeste.

A executiva também já atuou como Diretora Comercial Executiva da Deca, empresa de louças e metais sanitários, e em posições de liderança das unidades de negócio da Kraft Foods Equador e Mondelez Norte/ Nordeste, na qual era responsável por toda a operação. Além disso, passou por grandes empresas como Camil Alimentos, BDF Nivea e Reckitt Benckiser.

"A divulgação foi muito no boca a boca entre comunidades de fãs porque como um produto mais caro, o consumidor tem que ver se realmente funciona. Mas não foi só isso. A partir de 2020, começamos a ter uma presença mais forte nas redes sociais, com esforço para atrair também microinfluenciadores porque é um produto que ganha valor conforme você experimenta", explica Andrea.

A marca também é patrocinadora de eventos esportivos como o Rali dos Sertões, o Festival de Surf de Saquarema e um evento de kitesurf. Os surfistas Phil Rajzman, Yanca Costa e a kitesurfista Marcela Witt são atletas patrocinados pela marca.

A legião de fãs que Andréa cita já virou até motivo de brincadeira nas redes sociais, principalmente devido à possível relação do produto com consumidores de alta renda. No site da marca, o valor mais baixo de um copo é de 149 reais.

O executivo Omar Vitiello é um dos exemplos de quem defende a marca. Diretor da empresa Convipar e morador de São Paulo, ele costuma utirlizar os copos em viagens para praia e churrascos. "Quem me apresentou o copo foi o marido da minha prima. Na primeira vez, não dei muita atenção, mas aí fui num churrasco na casa dele. A gente colocou o copo por perto do fogo e por fora esquentou, sendo que por dentro a cerveja continuou gelada".

Depois de se "apaixonar" pelo produto e dar um de presente para um amigo, Omar comprou 8 copos, uma garrafa e uma caneca.  Tudo isso para não ter convidado sem o produto em festas.

"Semana passada eu fui para a praia. Levei dois copos e dei para um amigo na praia que não conhecia a marca. Acabei deixando o copo com ele, minha esposa ficou brava.... E aí falei que ia comprar meia dúzia para festas", conta.

Não é só com cerveja que Omar usa o copo. À noite, deixa ao lado da cama com água para permanecer gelada.

"Certeza que vale o investimento, vale cada real. Sem o copo, eu que tomo cerveja acabo desperdiçando, jogando fora e bebendo mais rápido para nao esquentar. A gente bebia sem qualidade", defende Omar.

copo stanley Omar Vitiello: depois de se "apaixonar" pelo produto e dar um para um amigo, Omar comprou 8 copos, uma garrafa e uma caneca

Omar Vitiello: depois de se "apaixonar" pelo produto e dar um para um amigo, Omar comprou 8 copos, uma garrafa e uma caneca (Arquivo Pessoal/Reprodução)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também