Negócios

O que é o G do ESG e qual a importância crescente da governança no Brasil

Definir uma conduta ética e responsabilidade com toda a cadeia produtiva é uma das práticas mais importantes do pilar da Governança

Definir uma conduta ética e responsabilidade com toda a cadeia produtiva é uma das práticas mais importantes do pilar da Governança (Koh Sze Kiat/Getty Images)

Definir uma conduta ética e responsabilidade com toda a cadeia produtiva é uma das práticas mais importantes do pilar da Governança (Koh Sze Kiat/Getty Images)

EXAME Solutions
EXAME Solutions

EXAME Solutions

Publicado em 14 de abril de 2023 às 07h30.

Quando o assunto é governança social e corporativa, o que as empresas estão fazendo, de fato, para seguir diretrizes sérias? 

Está tudo misturado. Atualmente, é impossível pensar em governança corporativa e social sem pensar em crise climática, discussões sobre direitos humanos e o papel social que as empresas exercem dentro desse contexto. 

No início de 2023, o município de Bento Goncálves, no Sul do país, foi parar no centro de uma operação policial que resgatou cerca de 200 trabalhadores em condições análogas à escravidão. A notícia abriu espaço para uma discussão antiga e ainda auxiliou em outras descobertas parecidas, uma delas em uma carvoaria na Bahia. Para se ter ideia, nos últimos 10 anos, mais de 13 mil pessoas foram resgatadas de condições de trabalho análogas à escravidão no Brasil.  

E o que as empresas têm a ver com isso? Tudo. O Estado tem seu papel inegociável no combate a crimes como esse, mas o setor privado, principalmente quem trabalha com mão de obra terceirizada, precisa saber como identificar esse tipo de crime.  E é aí que entra o G da sigla ESG.

O que é o G da sigla ESG?

Governança é o sistema interno de processos, controles e procedimentos que a empresa usa para se governar, tomar decisões, seguir a lei e atender às necessidades de todas as partes interessadas: colaboradores, funcionários, fornecedores, acionistas e investidores. 

“Seja de maneira formal ou informal percebe-se cada vez mais as empresas sensíveis e atentas a esse tema. Além disso, fica evidente que o COVID-19 intensificou o foco em aspectos de Meio Ambiente, Social e Governança (ESG) que já estavam se cristalizando na agenda global", explica Wilma Dal Col, Diretora de Gestão Estratégica de Pessoas ManpowerGroup e Head de Talent Solutions Right Management. 

Com isso,  as  empresas sentem cada vez mais necessidade de  implantar sistemas de governança orientados por uma visão de seu papel social. As ações focadas em definir altos padrões e gerenciar o negócio para criar valor a longo prazo para todas as partes interessadas é um dos maiores desafios dentro do pilar G

“Vemos as organizações desenvolvendo cada vez mais ações que se conectam ao momento atual da sociedade e dos negócios como, por exemplo, ética e integridade, segurança de informações, privacidade de dados, relações públicas, gerenciamento de risco e indicadores que estabeleçam rankings efetivos de mensuração das ações", analisa Dal Col. 

5 ações efetivas para melhorar a governança nas empresas

 Atualmente, é inadmissível alegar desconhecimento em qualquer tipo de prática ilícita e criminosa como o que aconteceu no Sul.  Por isso, as ações precisam ir muito além de políticas engessadas e automáticas e cabe às organizações transformar suas diretrizes em ações, além de apurar responsabilidades quando necessário. 

Programas de compliance e integridade deixaram de ser diferencial de mercado e se tornaram obrigação de qualquer organização. 

1 - Gerenciamento de Riscos - Ter um  processo estruturado de gerenciamento de riscos corporativos para avaliar riscos potenciais para os negócios, priorizando questões mais importantes para os stakeholders e desenvolvendo estratégias de mitigação.

2- Atenção redobrada à ética e Integridade - Definir um alto padrão ético e defender a conduta empresarial e o emprego responsáveis em toda a rede.

3- Direitos Humanos no radar -   Respeitar e promover os Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho declarados pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), ajudando a garantir que o trabalho seja uma fonte de dignidade e propósito.

4- Código de Conduta e Ética Comercial - Fazer com que os funcionários defendam os valores e práticas comerciais da empresa, além de  exigir que os parceiros e fornecedores da cadeia de suprimentos também alinhem seus princípios e valores com os próprios compromissos. 

“No ManpowerGroup, nossa linha direta de ética nos negócios está disponível 24 horas por dia, sete dias por semana, permitindo que qualquer funcionário ou terceiro levante uma questão de ética nos negócios. A linha direta está disponível globalmente com suporte para mais de 20 idiomas. Todos os relatos são analisados pela Equipe de Ética e Compliance para providências, e compartilhados com o Comitê de Auditoria do Conselho de Administração", conta Dal Col.

5- Segurança cibernética - Realizar desde treinamento dos colaboradores até a estrutura global abrangente de segurança da informação, alinhada com o ISO 27001, padrão de gestão de Segurança e Informação  internacionalmente reconhecido.

Acompanhe tudo sobre:NetZeroJBS

Mais de Negócios

10 franquias baratas para quem quer deixar de ser funcionário a partir de R$ 2.850

Mukesh Ambani: quem é o bilionário indiano que vai pagar casamento de R$ 3,2 bilhões para o filho

De vendedor ambulante a empresa de eletrônicos: ele saiu de R$ 90 mil para mais de R$ 1,2 milhão

Marca de infusões orgânicas cresce com aumento do consumo de chás no Brasil e fatura R$ 6 milhões

Mais na Exame