Negócios

O profissional do futuro: mais humano e desenvolvido

A Academia de Talentos da Merz Aesthetics, programa de capacitação dos Talentos da empresa, desenvolve os profissionais, incentivando o uso de Inteligências Artificiais e potencializando habilidades humanas

 (Pedro Brito/Merz Aesthetics Brasil/Divulgação)

(Pedro Brito/Merz Aesthetics Brasil/Divulgação)

Mariana Tirelli
Mariana Tirelli

Produtora de Conteúdo na Exame Corporate Education

Publicado em 27 de outubro de 2023 às 07h46.

Última atualização em 27 de outubro de 2023 às 11h05.

Desde que o mundo é mundo existe resistência quanto às inovações que surgem. Não à toa, 53% dos brasileiros estão muito preocupados com os impactos da Inteligência Artificial e 34% estão céticos quanto aos riscos da IA superarem seus benefícios, segundo estudo realizado pela 3M neste ano.

No entanto, a mesma pesquisa mostra que 82% dos brasileiros estão dispostos a usar os avanços digitais para aumentar sua produtividade no trabalho. Esse foi precisamente o objetivo do programa de talentos realizado pela Merz para desenvolver seus colaboradores: 

"A Merz é uma empresa que está em crescimento, tendo dobrado o número de funcionários durante a pandemia. Mas alguns processos ainda estão em estruturação. Brincamos que estamos trocando pneu enquanto o carro está andando. Esse crescimento exige um ritmo de trabalho ágil e dinâmico. E a gente perde tempo com algumas coisas que a IA pode ajudar, aumentando a produtividade e ganhando tempo", conta Thaís Romero, Gerente de Treinamento e Desenvolvimento da Merz Aesthetics Brasil.

Para Tatiana Reis, gerente sênior de RH da Merz Aesthetics, "A gente vive num ambiente de negócios com muita competitividade, em constante evolução - tanto da concorrência quanto do mercado - e inclusive na gestão de pessoas. Com isto, precisamos nos adaptar às novas tecnologias, precisamos adaptar as pessoas ao novo perfil de mercado. Nós temos pessoas diferenciadas que, através de uma avaliação muito criteriosa que avalia tanto potencial quanto desempenho, integram esse grupo seleto da academia de talentos e foram selecionadas para esta jornada com a parceria com a Exame neste primeiro módulo."

A Merz Aesthetics é uma empresa de referência em inovação no segmento de estética e neurotoxinas, presente em 52 países, sendo a maior empresa global dedicada exclusivamente à medicina estética. Suas operações no Brasil começaram em 2015 e, com a pandemia, intensificaram-se, somando mais de 200 colaboradores no país.

"Para nós, da Merz Aesthetics no Brasil, o investimento nas nossas pessoas é tão importante quanto o investimento no nosso portfólio, no nosso pipeline e todo investimento que a gente faz em treinamento, em educação profissional continuada. Nós sabemos que o que faz uma empresa se diferenciar de outra são as pessoas. As empresas acabam por fim copiando produtos, serviços, ideias de campanhas… Mas a maneira pela qual nós nos relacionamos internamente, com nossos clientes internos, a maneira com que nos relacionamos com nossos clientes externos, é única. E essa é a nossa vantagem competitiva", conta Giovana Pacini, presidente da Merz Aesthetics.

Thais explica que o momento que a empresa está vivendo, de crescimento exponencial e dinamismo, requer uma otimização na produtividade, que pode ser potencializada por meio do uso de Inteligência Artificial. Utilizando uma avaliação de resultado e potencial, em que o último tem mais peso que o primeiro, a Merz Aesthetics criou a Academia de Talentos, selecionando 22 profissionais para uma experiência imersiva em São Bento do Sapucaí, interior de São Paulo, para desenvolver suas hard skills em IA e soft skills, como empatia, aprendizagem contínua e estado de presença.

"A Academia de Talentos foi criada com alguns objetivos, o primeiro deles sendo a retenção dessas pessoas. A gente acredita que investir no desenvolvimento desses funcionários com alto potencial e alto desempenho é super importante para o nosso negócio", explica Tatiana.

"Todo mundo fala que conhece ou ouviu sobre IA, mas ainda é muito superficial. As pessoas não têm ideia das possibilidades," conta Thais Romero.

Com o apoio do braço de educação corporativa da Exame, a Exame Corporate Education, a gerente desenvolveu o programa da Academia de Talentos, que contou com encontro inaugural presencial no interior e que segue de forma remota com temas como o futuro do trabalho, lifelong learning, aprendizagem e mais. 

Giovana explica que "Esse treinamento in company vem inteiramente ao encontro com o nosso objetivo, poder trabalhar com uma empresa de renome, como a Exame, e poder dividir com essa marca todos os nossos valores, propósitos, onde nós estamos hoje e onde queremos chegar e, através dessa conversa trilhar um treinamento que faça sentido para gente e que vai fazer com os nossos colaboradores se tornem ainda melhores profissionais, capacitados e, consequentemente, mais felizes e mais realizados, para a gente não tem preço."

Durante o encontro inaugural, os profissionais da Merz puderam aprender como utilizar a Inteligência Artificial no trabalho, com o acompanhamento do CAIO (Chief Artificial Intelligence Office) da Exame, Miguel Lannes Fernandes.

"A primeira sugestão que demos foi ouvir os participantes", conta Miguel, possibilitando que os insights e ensinamentos fossem desenvolvidos com base na necessidade do grupo de profissionais convidados para a imersão e os objetivos a curto, médio e longo prazo da Merz no Brasil.

"Muita gente não tinha usado o ChatGPT, existia um certo receio, um medo de ficar travado", segundo Miguel, "e que depois do primeiro contato, esse medo vai se dismitificando".

Esse primeiro momento contou com a presença ilustre de Maximus, um robô de metal, com mais de 1,6 metro de altura, capaz de falar, se expressar e criar novos mundos - habilidade que ele demonstrou durante o encontro. 

Maximus não só utilizou IAs para criar apresentações e avatares dos presentes, como também gerou uma visão do futuro, em 2222, para mostrar aos profissionais como os mesmos estariam 100 anos à frente, provando que o profissional do futuro é aquele que continua se desenvolvendo e não teme inovações.

"As máquinas não são melhores do que os humanos. Os humanos são melhores com as máquinas" - Thais Romero. 

Maximus demonstrou isso ao interromper a imersão para convidar os presentes a apreciar o pôr do sol na Serra da Mantiqueira já que, embora ele soubesse o horário em que ele aconteceria, não poderia apreciar a vista, a companhia e nem mesmo a brisa.

"Tenho certeza de que esse foi um acontecimento que eles chegaram em casa e contaram para suas famílias e colegas sobre a experiência memorável que eles viveram ali e que vai marcar e transformar a vida deles", conta Miguel.

A experiência ainda incluiu uma trilha até o topo da Pedra do Bauzinho, cartão postal do Vale do Paraíba, para um coffee break na montanha, contrastando a tecnologia com a humanidade, destacando "o que a IA pode e não pode fazer", segundo Miguel, reforçando as habilidades que somente os humanos possuem.

"O profissional do futuro é aquele que sabe quando delegar tarefas às máquinas e quando apreciar as conexões que nos tornam verdadeiramente humanos." - Thais Romero

Acompanhe tudo sobre:branded-contentInteligência artificial

Mais de Negócios

Os engenheiros da saúde: como essa startup quer evitar perdas financeiras nos hospitais

IBM aposta em padrões abertos para incentivar o uso em escala da IA

Como a Renova Invest se mantém entre as melhores assessorias há 5 anos

Para além da Heineken na hora do aperto: o Rappi Turbo quer virar o seu próximo mercadinho de bairro

Mais na Exame