Não vamos voar mais do que necessário, diz executivo da Azul

Ao divulgar resultados de 2019, companhia anunciou redução de 30% nos voos internacionais em meio à pandemia de coronavírus
Avião da Azul: com anúncio de redução de voos, ações caem 30% (Getty Images/Getty Images)
Avião da Azul: com anúncio de redução de voos, ações caem 30% (Getty Images/Getty Images)
C
Carolina Riveira

Publicado em 12/03/2020 às 13:30.

Última atualização em 17/03/2020 às 11:28.

A companhia aérea Azul vive um dia de dois opostos nesta quinta-feira, 11. Embora a companhia tenha divulgado, pela manhã, bons resultados referentes ao quarto trimestre e ao ano de 2019, a ação da Azul caía 30,25% às 13h24. É um dos papéis que mais recuam neste pregão.

O motivo é que a Azul informou em conferência com analistas que vai reduzir 30% de seu fluxo de voos internacionais, em meio à pandemia de coronavírus que já chegou a mais de 120.000 casos no mundo.

À EXAME, a Azul já havia informado na quarta-feira 10, antes dos resultados, que estava analisando de perto a situação do coronavírus e poderia cancelar novos voos. Entre as rotas que a empresa já informou que vai cancelar ou alterar estão os voos para Porto e Lisboa, em Portugal. Os voos para Orlando, que hoje saem sete vezes por semana, terão frequência reduzida. Os voos para a Argentina também serão alterados, segundo informou a empresa na coletiva.

"Vamos combinar capacidade com demanda", disse o fundador da empresa, David Neeleman. "Não sinto nenhuma bravura [...] para voar mais do que é necessário."

A concorrente Latam também anunciou nesta quinta-feira redução de 30% de seus voos internacionais devido à baixa demanda. A Latam é a que mais faz voos internacionais no Brasil. No acumulado de 2019, teve 69,3% de participação de mercado nos voos internacionais partindo do Brasil, segundo dados consolidados pela Anac.

Por ser a empresa brasileira com mais rotas dentro do país, a Azul afirma que sua receita está menos exposta aos problemas do exterior com o coronavírus. A participação de mercado da Azul nos voos nacionais aumentou de 18,6%, em 2018, para 23,6%, no acumulado entre janeiro e dezembro de 2019. A Gol lidera o mercado doméstico com 37,7% do setor, seguida pela Latam, com 34,7%.

A Azul teve em 2019 um de seus melhores anos. A empresa divulgou lucro de 823,7 milhões em 2019, revertendo o prejuízo de 2018. O faturamento subiu 26%, para 10,9 bilhões de reais.

Além de novas rotas inauguradas no exterior, a empresa expandiu sobremaneira sua participação no mercado doméstico ao herdar parte do mercado que era da Avianca, que parou de operar em maio em meio à recuperação judicial. A Azul também estreou na ponte aérea Rio-São Paulo, depois de ter ficado com parte dos slots (horários de pouso e decolagem) da Avianca no requisitado aeroporto de Congonhas.

O presidente da Azul, John Rodgerson, acredita que um dos fatores que mais prejudicam as companhias aéreas no Brasil seja a alta do dólar, e não necessariamente o coronavírus. A moeda americana vem batendo recordes sucessivos em 2020, tendo chegado a 5 reais pela primeira vez na história na quinta-feira 11. As aéreas são prejudicadas com a alta do dólar porque boa parte de seus gastos é feita na moeda americana, como combustível e aeronaves. A alta do dólar também desestimula os passageiros a buscar viagens muito caras.

A Azul não é a única aérea a sofrer com o coronavírus. Até o pregão de terça-feira 10 a ação da Gol havia caído 65% no acumulado de 2020. As ações da Azul caíram 58%; e as da Latam, 47%.

Com o derretimento das ações, a Azul disse que não é a primeira vez que enfrenta crises e mostrou uma apresentação específica que acompanha a evolução de sua margem e Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) durante crises anteriores no Brasil, como o ano de recessão em 2016, a greve dos caminhoneiros e as eleições de 2018. Entre 2016 e 2018, o Ebitda da Azul aumentou de 1,8 bilhão de reais para 3,6 bilhões . A margem Ebitda cresceu de 26,9% para 31,7% no período.

Os executivos da Azul afirmaram ainda que a empresa tem posição sólida em caixa para lidar com a crise que assola o setor aéreo devido ao coronavírus. A empresa apresentou no balanço que tem 1,6 bilhão de reais em dinheiro e liquidez que passa de 4 bilhões de reais com todos os ativos.

"Nós acreditamos na estratégia de longo prazo da Azul e que vamos passar por isso", disse Rodgerson. "Em seis meses esta terá sido uma ótima hora para comprar ações da Azul, porque a Azul está indo longe."