Acompanhe:
seloNegócios

Na Tiffany, a galinha dos ovos de ouro são os milionários da China

Os chineses vêm sendo os grandes propulsores das marcas de luxo no mundo. Agora sob gestão do LVMH, a Tiffany busca melhorar sua entrada no país

Modo escuro

Continua após a publicidade
Logomarca da Tiffany: empresa de luxo americana foi comprada pelo grupo francês LVMH (Robert Alexander/Getty Images)

Logomarca da Tiffany: empresa de luxo americana foi comprada pelo grupo francês LVMH (Robert Alexander/Getty Images)

T
Tom Mackenzie e Jeff Sutherland, da Bloomberg

Publicado em 25 de dezembro de 2019 às, 08h00.

Última atualização em 25 de dezembro de 2019 às, 09h00.

A Tiffany projeta crescimento de dois dígitos na China no próximo ano apesar do enfraquecimento da economia, apostando que os consumidores diminuirão as compras de produtos de luxo no exterior e gastarão mais no próprio país.

A varejista dos EUA, que no mês passado aceitou ser comprada pela LVMH por US$ 16 bilhões, acha que o impulso continuará em 2020 após um crescimento “muito elevado” na China continental nos últimos dois anos, segundo o presidente Alessandro Bogliolo. As vendas se beneficiam da intensificação do compromisso da companhia com o maior mercado consumidor do mundo, bem como das medidas oficiais para estimular os gastos domésticos, explicou ele.

“Todos os esforços que o governo chinês fez para aumentar o consumo local, como a redução do imposto sobre vendas, são incentivo para os clientes chineses comprarem localmente, em vez de voarem para o Japão, EUA e Europa para fazer compras”, afirmou Bogliolo em entrevista à Bloomberg Television.

Setores variados — do turismo aos bens de luxo — que dependiam dos gastos chineses no exterior estão precisando reformular suas estratégias diante da desvalorização do yuan e do fato de chineses estarem evitando cidades tomadas por protestos, como Hong Kong e Paris. Companhias de luxo em particular estão expandindo agressivamente dentro do continente para cortejar consumidores chineses que representam um terço da demanda global.

A Kering planeja abrir 14 lojas em seis cidades chinesas para marcas como Gucci e Bottega Veneta. Outras marcas da nova proprietária da Tiffany, a LVMH, também vão entrar em cidades do país.

A Tiffany pretende adicionar “bem poucas” lojas na China em 2020, disse Bogliolo, explicando que a tática é expandir as unidades existentes. Ele foi à China para a reinauguração da principal loja em Xangai, que quase dobrou de tamanho para mais de 900 metros quadrados e se tornou a maior da Tiffany na Ásia.

A varejista americana conta com o lançamento de um website na China para alcançar clientes em cidades menos desenvolvidas, onde a marca não tem lojas.

Segundo Bogliolo, as vendas em Hong Kong sofreram queda de dois dígitos devido aos protestos em favor da democracia. Mas a empresa não está mudando sua estratégia por lá, argumentando que a cidade enfrentou momentos difíceis no passado e se recuperou. “Então, tenho muita confiança em Hong Kong e no seu futuro papel no mundo do luxo”, disse o executivo.

Últimas Notícias

Ver mais
Prédio do Hotel Faena será marco no skyline de São Paulo, diz arquiteto responsável pelo projeto
Casual

Prédio do Hotel Faena será marco no skyline de São Paulo, diz arquiteto responsável pelo projeto

Há 7 horas

Montblanc inaugura boutique em Goiânia, com mesma experiência de outras lojas ao redor do mundo
Casual

Montblanc inaugura boutique em Goiânia, com mesma experiência de outras lojas ao redor do mundo

Há 8 horas

O que ficar de olho durante a principal reunião política do ano na China
Mundo

O que ficar de olho durante a principal reunião política do ano na China

Há 18 horas

Economia e desemprego entre jovens na China são 'grande preocupação' para autoridades
Mundo

Economia e desemprego entre jovens na China são 'grande preocupação' para autoridades

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais