Na pandemia, royalties da mineração sobem para R$ 2,1 bi no 1º semestre

O desempenho foi puxado pela produção de minério de ferro, em meio à demanda aquecida pelo mercado chinês

Enquanto a maioria dos setores da economia está sofrendo os impactos da pandemia, a mineração se mantém aquecida. No primeiro semestre, a arrecadação da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), conhecida como royalty da mineração, subiu ligeiramente, para 2,1 bilhões de reais.

Segundo balanço da Agência Nacional de Mineração, o desempenho foi puxado pela exploração de minério de ferro, que respondeu por mais da metade da arrecadação. Cobre, calcário e bauxita (matéria-prima para o alumínio) vêm em seguida.

O estado do Pará foi o que mais arrecadou a CFEM, respondendo por 1,03 bilhão de reais. Minas Gerais vem em seguida, com 835 milhões de reais em royalties.

Embora a pandemia tenha afetado a economia global, a demanda chinesa continua aquecida. O país é responsável pela metade do consumo mundial de minerais e, com estímulos à infraestrutura, o consumo de diversos produtos, principalmente minério de ferro (matéria-prima para a produção do aço), se mantém em alta.

O preço do minério de ferro de referência, com teor 62%, registrou alta nesta quinta-feira, 09, pelo quinto dia consecutivo, se aproximando dos 112 dólares por tonelada.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.