A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Na fila da privatização, Eletrobras deve mostrar lucro bilionário no resultado

Empresa iria divulgar nesta segunda-feira os resultados de 2020 e do último trimestre do ano, mas foram adiados pela segunda vez para a próxima segunda-feira, 22

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

O mercado financeiro e o governo federal devem voltar os olhos na próxima semana para o resultados financeiros de 2020 da Eletrobras, a superestatal de energia que voltou a ser foco na últimas semanas depois que o presidente da República prometeu — mais uma vez — privatizá-la.

A empresa iria divulgar nesta segunda-feira os resultados de 2020 e do último trimestre do ano, mas foram adiados para a próxima segunda-feira, dia 22. Esta é a segunda vez em que eles são que os resultados postergados. A data original era 12 de março.

O governo federal vem tentando vender a companhia, que gera 34% da energia do país, desde a gestão do ex-presidente Michel Temer, mas a pauta não avança.

Para o ano de 2020, o Banco BTG Pactual — do mesmo grupo que controla a EXAME — espera que a empresa mostre um resultado de 15,1 bilhões de reais de EBITDA. Em 2019, esse valor foi de 9,1 bilhões.

Já o resultado líquido deve ser um lucro de 7,1 bilhões de reais, parecido com o de 2019: 7,5 bilhões de reais.

Na avaliação de analistas ouvidos pela EXAME, a estatal é considerada um bom ativo no mercado e estaria madura para ser vendida caso a privatização avance depois de ter tido prejuízos durante anos e ter sido utilizada para fins políticos.

Entre os anos de 2012 e 2015, ela teve seu caixa usado politicamente, principalmente por causa da Medida Provisória 579, no governo da ex-presidente Dilma Rousseff, que cortou o valor da energia em 20%.

Subsidiárias deficitárias (que já foram vendidas) nos estados do Amazonas, Roraima, Rondônia, Acre, Alagoas e Piauí também fazem parte do pacote de medidas que levaram a estatal a viver penúrias no começo desta década. Entre 2012 e 2017, foram 28 bilhões de reais em prejuízos.

O ainda presidente da empresa Wilson Ferreira Júnior, que assumiu a companhia em 2016 e deve sair neste mês março, é visto pelo mercado como o executivo que conseguiu "consertar" a casa.

Em fevereiro de 2016, por exemplo, as ações da companhia valiam cerca de 6 reais. Cinco anos depois, principalmente após o assunto da privatização voltar a ser destaque, as ações se mantêm acima de 32 reais.

Wilson Ferreira Júnior anunciou sua saída em janeiro após perceber que o projeto da privatização da companhia não vinha caminhando como ele gostaria.

Wilson é um defensor da privatização da Eletrobras e aceitou comandar a BR Distribuidora, empresa que já foi uma das subsidiárias da Petrobras.

A privatização da Eletobras só voltou a ser prioridade do governo após o presidente Jair Bolsonaro perceber que desagradou o mercado financeiro com a troca no comando da Petrobras, feita em meados de fevereiro.

Para sinalizar que estava comprometido comprometido com alguma agenda liberal, Bolsonaro enviou ao Congresso em meio à turbulência na troca de comando na Petrobras uma Medida Provisória ao Congresso que autoriza a Eletrobras a entrar no Plano Nacional de Desestatização. 

Esta é a primeira de muitas etapas a serem concluídas até que ela deixe de ser pública e se torne privada.

Apesar de o governo falar em uma agenda de privatizações, vender qualquer estatal demora. Mesmo que o caminho seja longo, o banco BTG cita que há sinais positivos e coloca que há 50% de a empresa ser efetivamente privatizada até o fim do mandato do presidente Jair Bolsonaro.

Na modelagem anterior, era prevista uma capitalização que gerasse 24 bilhões de reais ao governo. Agora, dentro da proposta do governo Bolsonaro, há a previsão que serão captados 50 bilhões de reais.

O aumento se dá pela inclusão da usina de Tucuruí e as outras variáveis do cálculo do governo.

Outros detalhes sobre a capitalização da Eletrobras têm sido divulgados nos últimos dias. O governo afirma que o projeto não vai aumentar tarifas de energia para os consumidores, uma vez que a proposta prevê que a companhia direcione até 2,5 bilhões de reais ao ano para aliviar a alta nas contas de luz.

Analistas ouvidos pela EXAME defendem a privatização da Eletrobras principalmente porque a empresa teria mais agilidade e flexibilidade para agir em um cenário de geração distribuída se for privada.

No modelo proposto pelo governo Bolsonaro, haverá uma capitalização da Eletrobras na bolsa de valores. Ou seja, o governo venderá suas ações até deixar de ser acionista majoritário.

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também