Negócios

Na COP26, governos e investidores tentam financiar um mundo sem carbono

A cúpula climática de Glasgow já é considerada a COP da ação e das finanças

COP26 em Glasgow: novos rascunhos com os acordos previstos devem ser publicados nesta quinta-feira, 11 (Agência/Getty Images)

COP26 em Glasgow: novos rascunhos com os acordos previstos devem ser publicados nesta quinta-feira, 11 (Agência/Getty Images)

RC

Rodrigo Caetano

Publicado em 2 de novembro de 2021 às 18h47.

Última atualização em 5 de novembro de 2021 às 13h18.

*De Glasgow, na Escócia

Nesta terça-feira, 2, mais de 30 instituições financeiras se comprometeram a não investir em empresas ligadas a desmatamento. Elas controlam 8,7 trilhões de dólares em ativos. O anúncio foi feito durante a COP26, a Conferência do Clima da ONU, em Glasgow, na Escócia. Não chega a ser uma surpresa para os participantes do evento.

A COP26 já está sendo considerada a COP das finanças. Boa parte das discussões em Glasgow entre governos, empresas e o setor financeiro giram em torno de como financiar a transição para a economia de baixo carbono. ´´Quem está dando as cartas aqui é o mercado financeiro´´, afirma Mário Mantovani, superintendente da ONG SOS Mata Atlântica e veterano de COPs – só não esteve em uma.

Confira, no resumo de hoje da cobertura especial da COP26, uma parceria entre a EXAME e a Rede Brasil do Pacto Global, como o mercado financeiro e os bancos de desenvolvimento estão se movimentando para entrar nessa transição.

Exame na COP

A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança Climática (UNFCCC) é um tratado internacional com o objetivo de estabilizar as concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera.

Uma das principais tarefas da COP é revisar as comunicações nacionais e os inventários de emissões apresentados por todos os países membros e, com base nessas informações, avaliar os progressos feitos e as medidas a serem tomadas.

Para além disto, líderes empresariais, sociedade civil e mais, se unem para discutir suas participações no tema. Neste cenário, a EXAME atua como parceira oficial da Rede Brasil do Pacto Global, da Organização das Nações Unidas.

yt thumbnail
Acompanhe tudo sobre:COP26Desenvolvimento econômicoMercado financeiro

Mais de Negócios

Imóveis, cheques e itens de luxo são mais usados em crimes financeiros do que criptomoedas

Apple mantém diálogos com concorrente Meta sobre IA

30 franquias baratas para começar a empreender a partir de R$ 9.500

Empreendendo no mercado pet, ele saiu de R$ 50 mil para R$ 1,8 milhão. Agora, aposta em franquias

Mais na Exame