Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:
seloNegócios

Multas à Oi chegam a R$ 10 bi em valores atualizados

De acordo com o conselheiro Igor Vilas Boas de Freitas, não há nenhuma previsão de que essas penalidades possam receber um desconto de 30% na negociação

Modo escuro


	Oi: nenhuma previsão de que essas penalidades possam receber um desconto de 30% na negociação
 (Nacho Doce/Reuters)

Oi: nenhuma previsão de que essas penalidades possam receber um desconto de 30% na negociação (Nacho Doce/Reuters)

A
Anne Warth

Publicado em 3 de agosto de 2016, 21h36.

Brasília - O total de multas aplicadas à Oi pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) nos últimos anos deve chegar a R$ 10 bilhões em valores atualizados.

De acordo com o conselheiro Igor Vilas Boas de Freitas, não há nenhuma previsão de que essas penalidades possam receber um desconto de 30% na negociação sobre Termos de Ajustamento de Conduta (TAC), que substituem essas punições por investimentos.

Freitas ressaltou que, no primeiro TAC, aprovado em maio, a Anatel substituiu multas de R$ 1,18 bilhão aplicadas nos últimos seis anos por investimentos de R$ 3,2 bilhões a serem realizados nos próximos quatro anos. Pelos parâmetros utilizados pela Anatel em TACs, o valor atualizado dessas penalidades chegaria a R$ 1,76 bilhão.

"Não sabemos se vai ter desconto ou se vai ser de 30%. No primeiro TAC, não só não teve desconto como ainda teve acréscimo nos valores devidos", afirmou o conselheiro. As penalidades do primeiro TAC foram aplicadas pelo descumprimento de metas de qualidade do serviço, universalização e ampliação do acesso aos serviços de telecomunicações. O documento precisa do aval do Tribunal de Contas da União (TCU) para ser assinado.

Outros dois TACs envolvendo multas da Oi estão em análise pela área técnica da Anatel e envolvem temas com fiscalização, interrupções e direito dos usuários.

Juntos, os três TACs somariam cerca de R$ 10 bilhões em valores atualizados. Sem correção, as multas teriam valor histórico de R$ 5,06 bilhões.

Freitas destacou que o objetivo da Anatel ao elaborar os TACs não é maximizar a arrecadação do Tesouro Nacional. "A meta é corrigir os serviços no tempo mais exíguo possível", afirmou.

Segundo ele, a agência constatou que os processos sancionatórios contra as empresas demoravam para terminar, geravam apelação à Justiça e não resolviam o problema do usuário.

"No TAC, a Anatel define um prazo e negocia com a empresa como solucionar o problema. Achamos que é um instrumento mais efetivo", disse. "No caso da Oi, a empresa precisa de investimentos pesados em rede para que tenha sustentabilidade no longo prazo."

Últimas Notícias

ver mais
Futebol, fake news e futuro do trabalho: os impactos do ChatGPT no foco no South Summit Madri 2023
seloNegócios

Os impactos do ChatGPT no foco no South Summit Madri 2023

Há 19 horas
Marketing Digital: a importância de estratégias online para posicionar sua marca
seloNegócios

Marketing Digital: a importância de estratégias online para posicionar sua marca

Há 22 horas
Aos 65 anos, a marca LYCRA® conta com parceria no Brasil para lançar nova tecnologia
seloNegócios

Aos 65 anos, a marca LYCRA® conta com parceria no Brasil para lançar nova tecnologia

Há um dia
Eles devem faturar R$ 60 milhões em 2023 em clínicas com consultas médicas a partir de R$ 20. Como?
seloNegócios

Eles devem faturar R$ 60 mi em 2023 com consultas médicas a partir de R$ 20

Há um dia
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais