Motos elétricas: 7 mil pessoas na fila de espera desta startup na África

Em Ruanda e outros países da região, a migração para veículos elétricos tem sido rápida

Quando o presidente de Ruanda disse em agosto passado que queria que todas as motocicletas do país fossem elétricas o mais rápido possível, a lista de espera da Ampersand deu um salto. A primeira empresa de motocicletas elétricas de Ruanda agora tem cerca de 7 mil pessoas na fila para seus veículos. O problema é que a empresa pode entregar apenas 40 unidades até o final de março.
Para Josh Whale, presidente da Ampersand, a demanda mostra que a população da África não está satisfeita com tendências de segunda mão de países ricos. As pessoas estão impacientes pela tecnologia mais eficiente.

Quer aprender a inovar e quem sabe criar até a sua própria startup? A EXAME Academy ensina no curso "Inovação na Prática"

"Os países aqui pularam os telefones fixos e foram direto para os celulares, e pularam as finanças convencionais para ir direto ao dinheiro digital", disse. "Agora, o crescimento da África pula da gasolina para os veículos elétricos."

O interesse é particularmente forte na África Oriental, a região de crescimento mais rápido, onde a população deverá mais do que dobrar até 2050 e muito dinheiro está fluindo para o crescimento e estabilização da rede elétrica. As fontes renováveis já respondem por quase 90% do fornecimento de energia em alguns países da região, de acordo com a Agência Internacional de Energia Renovável.

Startups de motocicletas elétricas surgiram em toda a região nos últimos dois anos para suprir o mercado e administrar condutores de mototáxis que operam o meio de transporte público mais comum na maioria das cidades. A Ampersand e a Safi, outra startup, operam em Ruanda. No Quênia, as motos são chamadas principalmente de boda-bodas, onde ARC Ride e Ecobodaa preveem lançamentos em breve, e em Uganda, onde Bodawerk e Zembo fornecem versões elétricas para motoqueiros locais.

A adoção da tecnologia verde cresce no Quênia, onde a geradora de eletricidade do governo gastou centenas de milhões de dólares para extraor energia geotérmica do vulcânico Vale do Rift. Isso fornece quase metade da energia da rede do país, que a ARC Ride usará para carregar sua frota de riquixás e motocicletas elétricas, importados da Índia. A partir de janeiro, seus condutores vão trabalhar com Sendy e Amitruck, duas das maiores entregadoras do país, além de transportar pessoas.

Os veículos elétricos da ARC Ride estarão entre os primeiros a competir com mototáxis movidas a gasolina de Nairóbi, que somam mais de 100 mil. A empresa diz que está em negociações com a Bolt para ajudar a oferecer condutores para seus serviços de transporte de passageiros e entrega. A Bolt não quis comentar detalhes dos planos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também